segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

“Nem a lua precisa do corpo inteiro para encantar o mundo”

Alunos do 6º ,7º,8º e 9º ano , quanta agitação. “A Clarice roubou pão na casa do João”, era o canto dos alunos na maior animação dentro do ônibus rumo à Trindade. Pensei, nossa, não vai ser fácil controlar os ânimos desta garotada. Mero engano, vocês entenderão posteriormente.
É pelo segundo ano consecutivo que acompanho a professora Degmar e seus alunos em visita a Vila São Cottolengo. Tais visitas encerram o Projeto Saúde e Prevenção do adolescente desenvolvido pela respectiva professora e este ano conta com a professora Thaís. As professoras mobilizaram os alunos e comunidade escolar para doarem alimentos, assim formou-se uma vasta cesta básica, a qual além de muitos mantimentos é permeada por gestos de solidariedade. Entretanto, desta feita, além da cesta, as professoras levaram algumas alunas para fazer apresentações de dança.
Fiquei impressionada com o comportamento dos alunos, a agitação deu lugar a comoção dos mesmos, dos mais pequeninos aos maiores. Eles não tiveram restrições de se aproximarem das pessoas e cumprimentá-las.
As meninas dançarinas de nosso Mundim levaram algo diferenciado para aquelas pessoas sofridas e muitas vezes marginalizadas pela nossa sociedade. O balé ensaiado pela professora Kamila do Projeto Mais Educação, na parte de dança, foi apresentado com classe e delicadeza, foi um primor tal apresentação. Depois outras meninas apresentaram uma dança menos clássica, mas, muito bonita também. Foi emocionante ver como as pessoas da Vila ficaram apreciando a dança das meninas, mesmo que algumas não entendiam o que se passava, entretanto, percebiam que algo diferenciado e mágico estava ocorrendo naquele momento.
Na recepção da Vila lemos em um quadro esta poética frase “Nem a lua precisa do corpo inteiro para encantar o mundo” uma frase que nos leva a reflexões múltiplas. Visitar a Vila e doar um pouco de si, enobrece nossa alma além de alegrar nossos irmãos menos favorecidos. Nossos alunos ao verem o sofrimento daquelas pessoas ficaram comovidos; na volta para Goiânia, à agitação deu lugar a serenidade reflexiva dos mesmos.
Parabéns professoras Degmar e Thaís por tão brilhante iniciativa. Parabéns também para a Kamila por preparar as meninas do balé e a Clarice e a mim também por apoiarmos a iniciativa. E lembrem-se “Nem a lua precisa do corpo inteiro para encantar o mundo”...

Trindade

3 comentários:

  1. Parabéns pelo projeto, Lívia. Os mais simples - sobretudo as crianças - são os mais solidários e, em decorrência, descomplicados.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo, quanto tempo!Que bom tê-lo aqui... Nossa, estou em falta com Pretextos, mas, ando tão atordoada...Desculpe-me meu amigo.

    ResponderExcluir
  3. Lívia, muito importante esta visita àquele lugar para a formação destes alunos. Ajuda na disciplina do dia-a-dia, diminui o preconceito com os portadores de necessidades especiais e os leva a refletir sobre a importância de acolhermos pessoas excluídas do convívio social, de certa forma....Parabéns a todos que participaram desse evento....Neusa

    ResponderExcluir

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

“Nem a lua precisa do corpo inteiro para encantar o mundo”

Alunos do 6º ,7º,8º e 9º ano , quanta agitação. “A Clarice roubou pão na casa do João”, era o canto dos alunos na maior animação dentro do ônibus rumo à Trindade. Pensei, nossa, não vai ser fácil controlar os ânimos desta garotada. Mero engano, vocês entenderão posteriormente.
É pelo segundo ano consecutivo que acompanho a professora Degmar e seus alunos em visita a Vila São Cottolengo. Tais visitas encerram o Projeto Saúde e Prevenção do adolescente desenvolvido pela respectiva professora e este ano conta com a professora Thaís. As professoras mobilizaram os alunos e comunidade escolar para doarem alimentos, assim formou-se uma vasta cesta básica, a qual além de muitos mantimentos é permeada por gestos de solidariedade. Entretanto, desta feita, além da cesta, as professoras levaram algumas alunas para fazer apresentações de dança.
Fiquei impressionada com o comportamento dos alunos, a agitação deu lugar a comoção dos mesmos, dos mais pequeninos aos maiores. Eles não tiveram restrições de se aproximarem das pessoas e cumprimentá-las.
As meninas dançarinas de nosso Mundim levaram algo diferenciado para aquelas pessoas sofridas e muitas vezes marginalizadas pela nossa sociedade. O balé ensaiado pela professora Kamila do Projeto Mais Educação, na parte de dança, foi apresentado com classe e delicadeza, foi um primor tal apresentação. Depois outras meninas apresentaram uma dança menos clássica, mas, muito bonita também. Foi emocionante ver como as pessoas da Vila ficaram apreciando a dança das meninas, mesmo que algumas não entendiam o que se passava, entretanto, percebiam que algo diferenciado e mágico estava ocorrendo naquele momento.
Na recepção da Vila lemos em um quadro esta poética frase “Nem a lua precisa do corpo inteiro para encantar o mundo” uma frase que nos leva a reflexões múltiplas. Visitar a Vila e doar um pouco de si, enobrece nossa alma além de alegrar nossos irmãos menos favorecidos. Nossos alunos ao verem o sofrimento daquelas pessoas ficaram comovidos; na volta para Goiânia, à agitação deu lugar a serenidade reflexiva dos mesmos.
Parabéns professoras Degmar e Thaís por tão brilhante iniciativa. Parabéns também para a Kamila por preparar as meninas do balé e a Clarice e a mim também por apoiarmos a iniciativa. E lembrem-se “Nem a lua precisa do corpo inteiro para encantar o mundo”...

Trindade

3 comentários:

  1. Parabéns pelo projeto, Lívia. Os mais simples - sobretudo as crianças - são os mais solidários e, em decorrência, descomplicados.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo, quanto tempo!Que bom tê-lo aqui... Nossa, estou em falta com Pretextos, mas, ando tão atordoada...Desculpe-me meu amigo.

    ResponderExcluir
  3. Lívia, muito importante esta visita àquele lugar para a formação destes alunos. Ajuda na disciplina do dia-a-dia, diminui o preconceito com os portadores de necessidades especiais e os leva a refletir sobre a importância de acolhermos pessoas excluídas do convívio social, de certa forma....Parabéns a todos que participaram desse evento....Neusa

    ResponderExcluir