sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Mundim em O Popular

O texto a seguir foi escrito pelo professor de nosso Waldemar Mundim, Gismair Teixeira – Mestre em Estudos Literários e doutorando pela UFG. Tal texto/artigo foi publicado em O Popular no dia 17 de novembro de 2010. É o nosso Mundim na mídia joranlística goiana. Parabéns professor Gismair pelo brilhante texto, no qual para abordar um fato atual, é moblilizado vários conhecimentos.

A logística do ENEM

O último Exame Nacional do Ensino Médio deixou evidenciado mais uma vez um problema que os especialistas há muito já apontaram e o senso comum já percebeu pela intuição: a aparentemente insuperável dificuldade do Brasil com a logística. A própria literatura já refletiu este calcanhar de Aquiles tupiniquim em páginas que se tornaram clássicas. Em Os sertões, Euclides da Cunha relata os fracassos em batalhas do exército brasileiro contra o arraial de Canudos ocasionados por uma elementar questão de logística, quando os mantimentos necessários não chegavam às tropas exaustas. Foram necessárias algumas expedições fracassadas até que um dos comandantes percebesse o problema e tomasse as medidas necessárias, culminando na vitória final, mas não sem um número grande de vítimas entre os soldados.
Ao vazamento das provas do Enem do ano passado somam-se agora os percalços da última edição, quando erros de impressão em algumas provas prejudicaram uma certa quantidade de alunos. Como se isto não bastasse, em nossa atividade docente tivemos contato com diversos estudantes que prestaram o exame e grande parte reclamou da organização. De fiscais desatentos ao que se passava nas salas ao uso de celulares houve de tudo um pouco, segundo eles. Questões que vazaram para o twitter, espaço de comunicação da internet, são um indício de que estes alunos não exageraram. Como o ensino médio tem sido um gargalo da educação brasileira, a exigir dos especialistas e das autoridades governamentais ações efetivas para a sua melhoria, todos os dissabores envolvendo o Exame Nacional do Ensino Médio vêm como um reforço à percepção que os próprios alunos têm de abandono a que este período da educação está relegado.
Os estudantes nos questionam, não sem uma ponta de certa angústia, o porquê de os concursos vestibulares serem tão bem organizados, raramente apresentando algum problema mais significativo, enquanto o Enem tem se revelado uma dor de cabeça para muitos deles. Em suas mentes juvenis, influencaidas pelos roteiros hollywoodianos, muitos questionam, com base em teorias da conspiração, se tais erros não seriam propositais, com finalidades escusas desencadeadas por forças ocultas, como diria o ex-presidente Jânio Quadros. Queremos crer que não! Quando se olha para os problemas estruturais da vida nacional, em praticamente todos os seus departamentos há sérios problemas de logística. Os exemplos são quase infindáveis e oscilam ao sabor das estações do ano. O problema do Enem é apenas mais um que se soma aos demais, quando o erro de um reduzido grupo de pessoas prejudica a vida de milhares e milhares de outras.

Um comentário:

  1. Os erros são graves,sem dúvida, e acabam por prejudicar milhares de pessoas, conforme afirma nosso colega Gismair. Mas acredito muito nas boas intenções de quem gerencia tudo isso e quero crer que essas falhas serão corrijidas nas próximas edições e ainda teremos orgulho de tudo isso. Eu torço por isso, e vc?

    ResponderExcluir

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Mundim em O Popular

O texto a seguir foi escrito pelo professor de nosso Waldemar Mundim, Gismair Teixeira – Mestre em Estudos Literários e doutorando pela UFG. Tal texto/artigo foi publicado em O Popular no dia 17 de novembro de 2010. É o nosso Mundim na mídia joranlística goiana. Parabéns professor Gismair pelo brilhante texto, no qual para abordar um fato atual, é moblilizado vários conhecimentos.

A logística do ENEM

O último Exame Nacional do Ensino Médio deixou evidenciado mais uma vez um problema que os especialistas há muito já apontaram e o senso comum já percebeu pela intuição: a aparentemente insuperável dificuldade do Brasil com a logística. A própria literatura já refletiu este calcanhar de Aquiles tupiniquim em páginas que se tornaram clássicas. Em Os sertões, Euclides da Cunha relata os fracassos em batalhas do exército brasileiro contra o arraial de Canudos ocasionados por uma elementar questão de logística, quando os mantimentos necessários não chegavam às tropas exaustas. Foram necessárias algumas expedições fracassadas até que um dos comandantes percebesse o problema e tomasse as medidas necessárias, culminando na vitória final, mas não sem um número grande de vítimas entre os soldados.
Ao vazamento das provas do Enem do ano passado somam-se agora os percalços da última edição, quando erros de impressão em algumas provas prejudicaram uma certa quantidade de alunos. Como se isto não bastasse, em nossa atividade docente tivemos contato com diversos estudantes que prestaram o exame e grande parte reclamou da organização. De fiscais desatentos ao que se passava nas salas ao uso de celulares houve de tudo um pouco, segundo eles. Questões que vazaram para o twitter, espaço de comunicação da internet, são um indício de que estes alunos não exageraram. Como o ensino médio tem sido um gargalo da educação brasileira, a exigir dos especialistas e das autoridades governamentais ações efetivas para a sua melhoria, todos os dissabores envolvendo o Exame Nacional do Ensino Médio vêm como um reforço à percepção que os próprios alunos têm de abandono a que este período da educação está relegado.
Os estudantes nos questionam, não sem uma ponta de certa angústia, o porquê de os concursos vestibulares serem tão bem organizados, raramente apresentando algum problema mais significativo, enquanto o Enem tem se revelado uma dor de cabeça para muitos deles. Em suas mentes juvenis, influencaidas pelos roteiros hollywoodianos, muitos questionam, com base em teorias da conspiração, se tais erros não seriam propositais, com finalidades escusas desencadeadas por forças ocultas, como diria o ex-presidente Jânio Quadros. Queremos crer que não! Quando se olha para os problemas estruturais da vida nacional, em praticamente todos os seus departamentos há sérios problemas de logística. Os exemplos são quase infindáveis e oscilam ao sabor das estações do ano. O problema do Enem é apenas mais um que se soma aos demais, quando o erro de um reduzido grupo de pessoas prejudica a vida de milhares e milhares de outras.

Um comentário:

  1. Os erros são graves,sem dúvida, e acabam por prejudicar milhares de pessoas, conforme afirma nosso colega Gismair. Mas acredito muito nas boas intenções de quem gerencia tudo isso e quero crer que essas falhas serão corrijidas nas próximas edições e ainda teremos orgulho de tudo isso. Eu torço por isso, e vc?

    ResponderExcluir