quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Ciência Experimental, que legal!

Sabem aqueles filmes, nos quais temos aquelas escolas e/ou mesmo universidades? Acredito que sabem do que eu estou falando, pois bem, em tais centros de ensino temos aqueles alunos peraltas, mas não é a peraltice que quero ressaltar, pois aqui no nosso Mundim nossos alunos são muito “comportados”. Bem, em tais filmes sempre vemos laboratórios de experimentos científicos, eu que sempre estudei em escola pública imaginava que isso só existia na ficção, ou em escolas privadas, entretanto, ontem participei de uma aula assim aqui no meu Mundim. Acompanhei a aula optativa de Ciência Experimental, ministrada pela professora Elgia. Ciência Experimental, que legal!
Primeiro presenciei a fabricação de cola de caseína. A Ana Clara e a Áquila(este nome me fez lembrar de um filme, penso que vocês sabem qual é) nos mostraram como se confecciona tal cola. E não é que a cola cola, colou até sacola. Depois o Robson, o Danilo e o José Bernardo fabricaram espuma.
Tudo estava correndo tranquilo na aula de experimentos, mas logo a Gabriela e a Anayle produziram na nossa frente o Sangue do diabo. Ufa, que coisa estranha! Com um monte de substâncias, todas muito bem separadinhas, presenciei a produção do temido sangue. Após o sangue ter ficado pronto, elas colocaram num pano branco, inicialmente ficou manchado, mas depois como num passe de mágica, eis que o sangue desapareceu do pano branco, nem mancha deixou. Que assustador! Após tal experimento fiquei meio agitada e não contive um grito, ao ver o Henrique e o Gabriel tentar colocar um ovo dentro de uma garrafa. Houve uma pequena explosão, fazia parte da atividade, mas assustei e gritei, foi meio baixo; confesso que fiquei sem graça.
Descobri que não precisamos mais preocupar com racionamento de energia, pois se as águas secarem temos outro condutor/produtor de energia, o limão. João Pedro e Walisson, nos mostraram isso. Haja plantação de limoeiros!
Impressionada, meio que assustada com tanto experimento, eis que chega o Pablo com uma vela na mão, isso acalmou meu coração, me fez lembrar até de um poema que o nosso menino poeta dedicou a mim, no qual tinha o seguinte verso: De pé com a vela na mão. Entretanto, não gostei muito deste verso, pois vela, não sei o motivo, me lembra de velório, cemitério, eu até comentei com o professor Gismair e ele me consolou disse que seria pior se fosse deitada com uma vela na mão. Acho que o professor Gismair tem razão. O fato é que o Pablo e o Leonardo apresentaram o experimento da vela que suga água por baixo de um recipiente. A calmaria da vela dos meninos deu lugar à agitação do foguete de balão apresentado pela Leonara e Kátia.
Por último foi a vez da Ana Carla e Larisse elas nos mostraram as cores que se movem, foi um mimo tal apresentação. As meninas com toques de delicadeza e ciência encerraram a manhã de experimentos.
Nós ainda não contamos com um laboratório de ciências como os dos filmes, assim como não temos piscinas e jumps na escola, entretanto, graças ao empenho dos professores isso não é motivo para privar os alunos de tais atividades práticas. Na aula de experimentos científicos percebi o empenho e empolgação dos alunos, além de pesquisarem sobre a experiência a ser demonstrada, eles apresentaram passo a passo como se daria o experimento, desenvolvendo assim a oralidade e /ou competência comunicativa. Parabéns professora Elgia pelo trabalho.

Ciência Experimental

Um comentário:

  1. Apesar de não termos estruturas de um colégio particular isso não nos impede (nós os alunos) de realizarmos bons experimentos científicos nas disciplinas de Química,Física e Biologia. Concordo com o Gismair, ele têm toda a razão, pior seria se fosse estivesse deitada com uma vela, deixa de bobeira você está apenas em pé com uma vela na mão.

    Bom Artigo!!!

    ResponderExcluir

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Ciência Experimental, que legal!

Sabem aqueles filmes, nos quais temos aquelas escolas e/ou mesmo universidades? Acredito que sabem do que eu estou falando, pois bem, em tais centros de ensino temos aqueles alunos peraltas, mas não é a peraltice que quero ressaltar, pois aqui no nosso Mundim nossos alunos são muito “comportados”. Bem, em tais filmes sempre vemos laboratórios de experimentos científicos, eu que sempre estudei em escola pública imaginava que isso só existia na ficção, ou em escolas privadas, entretanto, ontem participei de uma aula assim aqui no meu Mundim. Acompanhei a aula optativa de Ciência Experimental, ministrada pela professora Elgia. Ciência Experimental, que legal!
Primeiro presenciei a fabricação de cola de caseína. A Ana Clara e a Áquila(este nome me fez lembrar de um filme, penso que vocês sabem qual é) nos mostraram como se confecciona tal cola. E não é que a cola cola, colou até sacola. Depois o Robson, o Danilo e o José Bernardo fabricaram espuma.
Tudo estava correndo tranquilo na aula de experimentos, mas logo a Gabriela e a Anayle produziram na nossa frente o Sangue do diabo. Ufa, que coisa estranha! Com um monte de substâncias, todas muito bem separadinhas, presenciei a produção do temido sangue. Após o sangue ter ficado pronto, elas colocaram num pano branco, inicialmente ficou manchado, mas depois como num passe de mágica, eis que o sangue desapareceu do pano branco, nem mancha deixou. Que assustador! Após tal experimento fiquei meio agitada e não contive um grito, ao ver o Henrique e o Gabriel tentar colocar um ovo dentro de uma garrafa. Houve uma pequena explosão, fazia parte da atividade, mas assustei e gritei, foi meio baixo; confesso que fiquei sem graça.
Descobri que não precisamos mais preocupar com racionamento de energia, pois se as águas secarem temos outro condutor/produtor de energia, o limão. João Pedro e Walisson, nos mostraram isso. Haja plantação de limoeiros!
Impressionada, meio que assustada com tanto experimento, eis que chega o Pablo com uma vela na mão, isso acalmou meu coração, me fez lembrar até de um poema que o nosso menino poeta dedicou a mim, no qual tinha o seguinte verso: De pé com a vela na mão. Entretanto, não gostei muito deste verso, pois vela, não sei o motivo, me lembra de velório, cemitério, eu até comentei com o professor Gismair e ele me consolou disse que seria pior se fosse deitada com uma vela na mão. Acho que o professor Gismair tem razão. O fato é que o Pablo e o Leonardo apresentaram o experimento da vela que suga água por baixo de um recipiente. A calmaria da vela dos meninos deu lugar à agitação do foguete de balão apresentado pela Leonara e Kátia.
Por último foi a vez da Ana Carla e Larisse elas nos mostraram as cores que se movem, foi um mimo tal apresentação. As meninas com toques de delicadeza e ciência encerraram a manhã de experimentos.
Nós ainda não contamos com um laboratório de ciências como os dos filmes, assim como não temos piscinas e jumps na escola, entretanto, graças ao empenho dos professores isso não é motivo para privar os alunos de tais atividades práticas. Na aula de experimentos científicos percebi o empenho e empolgação dos alunos, além de pesquisarem sobre a experiência a ser demonstrada, eles apresentaram passo a passo como se daria o experimento, desenvolvendo assim a oralidade e /ou competência comunicativa. Parabéns professora Elgia pelo trabalho.

Ciência Experimental

Um comentário:

  1. Apesar de não termos estruturas de um colégio particular isso não nos impede (nós os alunos) de realizarmos bons experimentos científicos nas disciplinas de Química,Física e Biologia. Concordo com o Gismair, ele têm toda a razão, pior seria se fosse estivesse deitada com uma vela, deixa de bobeira você está apenas em pé com uma vela na mão.

    Bom Artigo!!!

    ResponderExcluir