segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Saudades do Mundim

Já são quase 20 dias distante das minhas funções no Waldemar Mundim. Que saudades do Mundim!
De segunda a sexta-feira às 6h40 eu adentro o portão do colégio. Sempre chego radiante cumprimentando todos que encontro pelo caminho. Neste horário, sempre tem uma aluna em especial na porta do Colégio, é uma aluna do 3º ano, lembro-me perfeitamente da imagem dela, entretanto, não sei o nome dela. E o interessante é que na maioria das vezes quando eu vou embora entre 12h15 e 12h30 esta mesma aluna está lá; por vezes ela até se diverte com minhas barberagens ao retirar meu carro do estacionamento. Sinto falta dela. Assim como sinto falta de todos do Mundim.
O primeiro lugar que vou quando chego é a cozinha:
- Bom dia Vera, bom dia dona Venina ..... como estão vocês? Vera, Veríssima, seu nome me faz lembrar dos ilustres Veríssimos, pai e filho. O cheirinho do café está bom...
Tomo um copo de café, isso mesmo, não gosto de tomar café em xícara. E logo chegam mais colegas. A Elgia, a Sônia Moura, a Inês... a conversa fica animada. É bom começar o dia de trabalho assim.
-Bom dia professor Jocundo, está tudo certo? O professor Jocundo é coordenador do turno matutino, homem sério, pulso firme, mas um ser humano incrível.
- Bom dia chefíssima. Refiro-me a Elienes também coordenadora do matutino, ela é o poço da seriedade, mas um amor de pessoa. Ela quase não ri, isso por vezes me incomoda, ela tem que rir mais...
-Bom dia Edson, já sarei. Edson é o vice-diretor, ele sempre me pergunta se eu já sarei, o engraçado é que eu nunca estive doente. Ele é casado com a professora Eleuza.
-Tudo bem Aires? Quando teremos teatro novamente na escola? Sempre pergunto isto para ele, sou apaixonada por Teatro e é uma forma atrativa de inserir nossos alunos em atividades culturais. Aires é o diretor da escola.
E por falar em Teatro, temos um professor ator na escola, Kléber Alves e uma uma professora atriz, Cyntia Rodrigues.
-Clarice e o seu Grêmio? Ela é uma gaúcha gremista, professora de matemática e bibliotecária do matutino.
-Vítor, estes times nossos estão muito feios.
A professora Tânia se parece muito com aquela índia do filme “Uma noite no museu”, sempre falo isso para ela e depois fico rindo. E ela diz: Lívia, Lívia esta moça é muito feia? Numa ocasião a professora atriz Cyntia , a qual é muito sapeca, estava por perto e disse: Uai ela se parece com você, você se acha feia?
Assim logo me dirijo para o meu canto na escola, o Laboratório de Informática, o qual fica próximo a Sala de Vídeo e do Laboratório de Línguas. O professor José Pereira é o responsável por estas duas salas, ele é uma gracinha, esquecido que só. Mas todos nós esquecemos um pouco, tem momentos que me esqueço de esquecer das pessoas que eu gosto...
Logo aparecem por lá o menino poeta, Marcos Jefferson, a nossa poetisa Patrícia, Robson, gênio dos recursos tecnológicos, Júlio César, a Nicole, a ...
Lívia, Livinha, Tia, Professora, Menininha, assim sou chamada por colegas e alunos do Mundim. Adoro que me chamem de Livinha, o professor Jocundo e a professora Mônica sempre me chamam assim. Agora, muitos alunos insistem em me chamar de Tia, não gosto muito não... Menininha, quem me chama desta forma é a Fatinha; adoro também ser chamada assim.
Já estava me esquecendo de falar dos meus pupilos, os bolsistas da UFG desorientados por mim, digo orientados. Eles são... meus pupilos. A Edes os conhece bem.
No vespertino também compareço ao Mundim, uma vez por semana, para acompanhar duas bolsistas, elas estão desenvolvendo o projeto nas aulas da professora Fatinha.
-Fatinha cadê a Bia, estou com saudades dela. Bia é netinha da Fatinha. Que danadinha!
-Oi Val. Ela é a coordenadora do vespertino, antes ela era dinamizadora do laboratório de informática, quando iniciei minhas atividades como dinamizadora ela me ajudou muito. Obrigadíssima, Val. E a Nicinha? Atualmente é coordenadora do turno vespertino também, mas antes trabalhava no Laboratório de Línguas pela manhã. Era muito bom trabalhar junto com ela, nos trabalhávamos e nos divertíamos muito também.
A professora Degmar... quando num dia destes passei rapidamente no Mundim para minhas faltas justificar, a professora Degmar veio comigo falar, me viu segurando para não chorar e tentou me consolar, entretanto, suas palavras amigas me fizeram emocionar mais ainda. A dona Terezinha disse que estou fazendo falta lá. Fatinha, dona Terezinha, que saudades da Izabelzinha. A Professora Thaís é uma gracinha.
No noturno dou aulas de Redação e Português as segundas e sextas-feiras, dois dias extremos da semana. É arrumação do coordenador Alessandro, ele se diz fazer de tudo para que o meu horário fique excelente, ele diz que se for preciso me coloca para trabalhar no sábado e no domingo. Quase morro de rir dele! Na segunda minhas aulas são as três últimas e eu que sou uma pessoa nem um pouco ansiosa, as 18h30 já me encontro na escola. Ele faz o que pode com o horário e só o fato dele jamais me colocar para dar aulas na quarta à noite...
E a Benízia? Bem, a Benízia, a Benízia... ela é uma pessoa... hum, como eu poderia qualificá-la?! Quando chego dou um abração nela e tanto ela quanto o Alessandro ficam numa felicidade só, pois não precisarão se preocupar em subir aulas. E como eu chego mais cedo o Alessandro fica procurando alguma coisa para eu fazer. A professora Neusa é uma verdadeira deusa da serenidade. A professora Cinira é uma jovem professora muito séria, muito amiga da também jovem professora Paula, sempre pergunto: Paula, você está indo para a sala de aula? Sou mestre em ficar fazendo estas rimas bobas.
-Professor Gismair, cuidado para não cair. De pronto ele diz: Lívia você veio da Bolívia? Pergunto para a professora Maria José se ela lavou o pé e para a professora Janete se ela mascou chiclete. Elas ficam umas araras comigo... Janete, que rima com Gildete e Maria Odete. A professora Sônia não sofre de insônia, afirmo isso com propriedade. Juntamente com ela fiz o curso Corrigindo redações na UFG, foram dois finais de semana, sábado e domingo o dia todo. Íamos almoçar juntas e ela nem passava perto de alface, pois segundo ela, se ela comesse alface dormiria a tarde toda. E o Davi, será que comeu pequi, ou siri? Nunca perguntei isto para ele, mas deu uma rima até boa.
-Dona Sebastiana diz para mim quem a senhora ama. Também nunca disse isso para ela, vez que ela é muito séria...Vai que ela não gosta...
O professor Edmilson, diz que eu sou engraçada...
Lúcia, Wagda,Weidilene,Solange, Divina, Michel, Moisés, Guardas do Mundim, Edna, Amparo, Sueli, Mirian, Dionísio, Emerson, Paula(temos duas Paulas), Pablo(não é o Picasso)... é muita gente e acho que acabei esquecendo muitos, de antemão peço desculpas por esta minha falta de atenção.
Com relação aos meus alunos, não vou mencionar nomes, vez que são muitos e o texto já está muito extenso, escreverei um texto exclusivo falando deles.
Deixei para falar por último da Estela. Será que a Estela gosta de costela? Não sei dos gostos dela, mas agradeço muito a ela, pois foi ela que me trouxe para o Mundim. Agradeçam e/ou critiquem a Estela por eu fazer parte do Mundim e jamais me cansarei de repetir que tenho orgulho de ser professora e de trabalhar no Waldemar Mundim: um Mundim repleto de saber e interatividade.
Saudades de todos vocês, logo estarei de volta. Um abração no coração de vocês. Abraço no coração?!

3 comentários:

  1. Obrigada por se lembrar de mim assim: deusa da serenidade...rsrsrs
    Você realmente nunca me viu nervosa.
    Estamos com muita saudades de você também, está fazendo muita falta para nós.
    Um grande abraço.
    Neusa

    ResponderExcluir
  2. Rotinas encantadoramente simples, com jeitão de momentos felizes. Só reconhecidas quando viram passado, quando viram saudade. Vale - e como vale... a leitura.
    Abraço.

    ResponderExcluir

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Saudades do Mundim

Já são quase 20 dias distante das minhas funções no Waldemar Mundim. Que saudades do Mundim!
De segunda a sexta-feira às 6h40 eu adentro o portão do colégio. Sempre chego radiante cumprimentando todos que encontro pelo caminho. Neste horário, sempre tem uma aluna em especial na porta do Colégio, é uma aluna do 3º ano, lembro-me perfeitamente da imagem dela, entretanto, não sei o nome dela. E o interessante é que na maioria das vezes quando eu vou embora entre 12h15 e 12h30 esta mesma aluna está lá; por vezes ela até se diverte com minhas barberagens ao retirar meu carro do estacionamento. Sinto falta dela. Assim como sinto falta de todos do Mundim.
O primeiro lugar que vou quando chego é a cozinha:
- Bom dia Vera, bom dia dona Venina ..... como estão vocês? Vera, Veríssima, seu nome me faz lembrar dos ilustres Veríssimos, pai e filho. O cheirinho do café está bom...
Tomo um copo de café, isso mesmo, não gosto de tomar café em xícara. E logo chegam mais colegas. A Elgia, a Sônia Moura, a Inês... a conversa fica animada. É bom começar o dia de trabalho assim.
-Bom dia professor Jocundo, está tudo certo? O professor Jocundo é coordenador do turno matutino, homem sério, pulso firme, mas um ser humano incrível.
- Bom dia chefíssima. Refiro-me a Elienes também coordenadora do matutino, ela é o poço da seriedade, mas um amor de pessoa. Ela quase não ri, isso por vezes me incomoda, ela tem que rir mais...
-Bom dia Edson, já sarei. Edson é o vice-diretor, ele sempre me pergunta se eu já sarei, o engraçado é que eu nunca estive doente. Ele é casado com a professora Eleuza.
-Tudo bem Aires? Quando teremos teatro novamente na escola? Sempre pergunto isto para ele, sou apaixonada por Teatro e é uma forma atrativa de inserir nossos alunos em atividades culturais. Aires é o diretor da escola.
E por falar em Teatro, temos um professor ator na escola, Kléber Alves e uma uma professora atriz, Cyntia Rodrigues.
-Clarice e o seu Grêmio? Ela é uma gaúcha gremista, professora de matemática e bibliotecária do matutino.
-Vítor, estes times nossos estão muito feios.
A professora Tânia se parece muito com aquela índia do filme “Uma noite no museu”, sempre falo isso para ela e depois fico rindo. E ela diz: Lívia, Lívia esta moça é muito feia? Numa ocasião a professora atriz Cyntia , a qual é muito sapeca, estava por perto e disse: Uai ela se parece com você, você se acha feia?
Assim logo me dirijo para o meu canto na escola, o Laboratório de Informática, o qual fica próximo a Sala de Vídeo e do Laboratório de Línguas. O professor José Pereira é o responsável por estas duas salas, ele é uma gracinha, esquecido que só. Mas todos nós esquecemos um pouco, tem momentos que me esqueço de esquecer das pessoas que eu gosto...
Logo aparecem por lá o menino poeta, Marcos Jefferson, a nossa poetisa Patrícia, Robson, gênio dos recursos tecnológicos, Júlio César, a Nicole, a ...
Lívia, Livinha, Tia, Professora, Menininha, assim sou chamada por colegas e alunos do Mundim. Adoro que me chamem de Livinha, o professor Jocundo e a professora Mônica sempre me chamam assim. Agora, muitos alunos insistem em me chamar de Tia, não gosto muito não... Menininha, quem me chama desta forma é a Fatinha; adoro também ser chamada assim.
Já estava me esquecendo de falar dos meus pupilos, os bolsistas da UFG desorientados por mim, digo orientados. Eles são... meus pupilos. A Edes os conhece bem.
No vespertino também compareço ao Mundim, uma vez por semana, para acompanhar duas bolsistas, elas estão desenvolvendo o projeto nas aulas da professora Fatinha.
-Fatinha cadê a Bia, estou com saudades dela. Bia é netinha da Fatinha. Que danadinha!
-Oi Val. Ela é a coordenadora do vespertino, antes ela era dinamizadora do laboratório de informática, quando iniciei minhas atividades como dinamizadora ela me ajudou muito. Obrigadíssima, Val. E a Nicinha? Atualmente é coordenadora do turno vespertino também, mas antes trabalhava no Laboratório de Línguas pela manhã. Era muito bom trabalhar junto com ela, nos trabalhávamos e nos divertíamos muito também.
A professora Degmar... quando num dia destes passei rapidamente no Mundim para minhas faltas justificar, a professora Degmar veio comigo falar, me viu segurando para não chorar e tentou me consolar, entretanto, suas palavras amigas me fizeram emocionar mais ainda. A dona Terezinha disse que estou fazendo falta lá. Fatinha, dona Terezinha, que saudades da Izabelzinha. A Professora Thaís é uma gracinha.
No noturno dou aulas de Redação e Português as segundas e sextas-feiras, dois dias extremos da semana. É arrumação do coordenador Alessandro, ele se diz fazer de tudo para que o meu horário fique excelente, ele diz que se for preciso me coloca para trabalhar no sábado e no domingo. Quase morro de rir dele! Na segunda minhas aulas são as três últimas e eu que sou uma pessoa nem um pouco ansiosa, as 18h30 já me encontro na escola. Ele faz o que pode com o horário e só o fato dele jamais me colocar para dar aulas na quarta à noite...
E a Benízia? Bem, a Benízia, a Benízia... ela é uma pessoa... hum, como eu poderia qualificá-la?! Quando chego dou um abração nela e tanto ela quanto o Alessandro ficam numa felicidade só, pois não precisarão se preocupar em subir aulas. E como eu chego mais cedo o Alessandro fica procurando alguma coisa para eu fazer. A professora Neusa é uma verdadeira deusa da serenidade. A professora Cinira é uma jovem professora muito séria, muito amiga da também jovem professora Paula, sempre pergunto: Paula, você está indo para a sala de aula? Sou mestre em ficar fazendo estas rimas bobas.
-Professor Gismair, cuidado para não cair. De pronto ele diz: Lívia você veio da Bolívia? Pergunto para a professora Maria José se ela lavou o pé e para a professora Janete se ela mascou chiclete. Elas ficam umas araras comigo... Janete, que rima com Gildete e Maria Odete. A professora Sônia não sofre de insônia, afirmo isso com propriedade. Juntamente com ela fiz o curso Corrigindo redações na UFG, foram dois finais de semana, sábado e domingo o dia todo. Íamos almoçar juntas e ela nem passava perto de alface, pois segundo ela, se ela comesse alface dormiria a tarde toda. E o Davi, será que comeu pequi, ou siri? Nunca perguntei isto para ele, mas deu uma rima até boa.
-Dona Sebastiana diz para mim quem a senhora ama. Também nunca disse isso para ela, vez que ela é muito séria...Vai que ela não gosta...
O professor Edmilson, diz que eu sou engraçada...
Lúcia, Wagda,Weidilene,Solange, Divina, Michel, Moisés, Guardas do Mundim, Edna, Amparo, Sueli, Mirian, Dionísio, Emerson, Paula(temos duas Paulas), Pablo(não é o Picasso)... é muita gente e acho que acabei esquecendo muitos, de antemão peço desculpas por esta minha falta de atenção.
Com relação aos meus alunos, não vou mencionar nomes, vez que são muitos e o texto já está muito extenso, escreverei um texto exclusivo falando deles.
Deixei para falar por último da Estela. Será que a Estela gosta de costela? Não sei dos gostos dela, mas agradeço muito a ela, pois foi ela que me trouxe para o Mundim. Agradeçam e/ou critiquem a Estela por eu fazer parte do Mundim e jamais me cansarei de repetir que tenho orgulho de ser professora e de trabalhar no Waldemar Mundim: um Mundim repleto de saber e interatividade.
Saudades de todos vocês, logo estarei de volta. Um abração no coração de vocês. Abraço no coração?!

3 comentários:

  1. Obrigada por se lembrar de mim assim: deusa da serenidade...rsrsrs
    Você realmente nunca me viu nervosa.
    Estamos com muita saudades de você também, está fazendo muita falta para nós.
    Um grande abraço.
    Neusa

    ResponderExcluir
  2. Rotinas encantadoramente simples, com jeitão de momentos felizes. Só reconhecidas quando viram passado, quando viram saudade. Vale - e como vale... a leitura.
    Abraço.

    ResponderExcluir