sábado, 31 de julho de 2010



Injeção de ânimo

Os apaixonados vilanovenses foram prestigiar, para variar, mais um estreante em seu time, o treinador Roberto Cavalo. Aliás, ultimamente esta tem sido a rotina dos torcedores, prestigiarem as novidades da equipe. Contrata e dispensa jogadores e treinadores, quanta rotatividade, ninguém pode reclamar dos dirigentes do Vila, pelo menos eles estão tentando, só não estão acertando. Roberto Cavalo será a injeção de ânimo de que o time está precisando para deixar a incômoda lanterna? Esperamos que sim, mas o reencontro com a vitória não aconteceu na primeira partida comandada por Cavalo. Entretanto, o time apresentou uma considerável melhora.

Com apenas Roni no ataque, o Tigre no primeiro tempo, criou algumas oportunidades de gol. A forte marcação no meio campo proporcionou mais segurança para os zagueiros e uma maior agilidade para os meias ofensivos, Mateus e Davi. Pela primeira vez na competição eu vi o Vila ter uma boa atuação; o time estava compacto, ocupando o campo como um todo, melhor escrevendo, havia desaparecido o enorme abismo entre defesa, meio campo e ataque tão recorrente nos jogos anteriores. O ala esquerdo improvisado Jorge Henrique cumpriu bem seu papel, penso que ele pode ser efetivado na posição. Já o ala direito do Vila carece melhorar seu futebol, as melhores jogadas do Coritiba saiam nas costas dele. Sorte de Dedê que havia Juninho para auxiliá-lo. Juninho que não é aquele franzininho do time da Campininha e muito menos aquele que jogou no próprio Vila(um que veio de determinado país da Europa) teve uma grande atuação; com uma impecável marcação, ainda saia rápido na armação das jogadas. O gol no primeiro tempo não saiu, mas eu estava animada com o futebol apresentado pelo Colorado. Animados também, deveriam estar os apaixonados torcedores colorados. Entretanto, alegria de pobre, digo, de colorado, de esmeraldino e de rubro-negro ultimamente tem durado pouco.

No segundo tempo, o comandante Colorado, querendo vencer a partida sacou um homem de marcação, Rodrigo Thiesen e colocou o atacante Sassá. Ah, agora com dois atacantes, Roni e Sassá, gols não iriam faltar. Mero engano. O Coritiba engoliu o meio campo do Vila, assim, Cavalo para tentar remediar a situação sacou Mateus e Jorge Henrique, os quais estavam atuando bem. Davi Ceará e Bruno Lopes foram os escolhidos por ele. O atacante Bruno Lopes, ficou meio perdido em campo, não sabia qual função desempenhar: ala de marcação ou atacante? Na dúvida, não desempenhou nem uma das funções. Com relação ao Sassá, pior do que ele só o Davi Ceará.

Com as substituições de Cavalo, o bom futebol apresentado na etapa inicial da partida pelo Vila, também fora substituído. O time simplesmente não jogou mais, contudo ainda conseguia se segurar na defesa. Mas para a infelicidade da nação colorada, numa cobrança de falta, a qual não me pareceu falta, mas foi falta, vez que o árbitro marcou, o Coritiba balançou as redes goianas. Vale ressaltar que a cobrança de falta foi de longe, a bola foi mais ou menos no ângulo, Max mais uma vez nem se mexeu, entretanto, acredito que ele não conseguiria chegar à bola, então para quê ficar se esforçando fisicamente em vão. É a lei do mínimo esforço e como tem seguido tal lei ultimamente o goleiro vilanovense.

Considerando a situação em que se encontra o Vila na competição e a do adversário em questão, o técnico Colorado poderia ter permanecido com mais marcação no meio campo, isso não significaria pouco poder ofensivo, tanto que no primeiro tempo o time criou boas jogadas e algumas oportunidades de gols. Elementos que não foram presentes no segundo tempo. Se bem que o Tigre se encontra muito fraco, sem muitas forças, com isso ao ver suas presas com aquelas Coxas Brancas, perdeu o apetite e resolveu poupar o pouco da energia que ainda lhe resta. Ah, e tomara que o Cavalo que se encontra pelas bandas da Vila Nova não seja Paraguaio; Pangaré é até aceitável, mas quem sabe ele não seja um Banda Larga, digo, Manga Larga, ou Apaloose...



P.s.: O novo uniforme do Vila apresenta uma combinação “perfeita” de cores. Laranja e vermelho são tonalidades bem suaves. Temos agora o Tricolor de Goiânia, apresentando as cores: vermelho,laranja e branco. Juninho para dar um toque especial nas cores discretas, atuou com chuteiras amarelas.


2 comentários:

  1. Oi, Lívia. Como está?
    Olha, não entendo muito de futebol, embora seja primo do Finazzi - que você já deve ter ouvido falar. De qualquer forma, você me parece muito assertiva em suas opiniões e fala com propriedade e muito conhecimento sobre o assunto. Parabéns pelo texto, pelas fotos dos ipês e pelo blog todo. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Lívia.
    Vc entende mesmo de futebol hem menina? Gostei demais do seu blog. Obrigada pela visita, fiquei feliz que tenha gostado do meu poema lá no Eduardo. Deixo aqui um de presente pra vc. Escolhi este depois que li uma publicação mais antiga aqui no seu blog. Muito bom!!!!!! Bjos!!!

    DECISÃO

    Decidi ser feliz,
    Não importa se está claro ou escuro,
    Se está quente,
    Se está frio.
    Não importa...
    Serei feliz assim mesmo!
    Não importa se tenho você aqui
    Ou se longe de mim estás
    Não importa...
    Serei feliz assim mesmo!
    Pois de tanto procurar
    A felicidade encontrar
    Descobri onde ela está.
    Banhando meus sonhos de amor
    Nas águas salgadas do mar
    Nos raios do Sol
    Ou na luz do Luar
    Viajei pra dentro de mim
    Perdi-me nos labirintos do meu ser
    Não desisti, insisti
    E quando enfim me encontrei...
    Lá estava ela
    Sorrindo pra mim.

    Zezinha Sousa

    ResponderExcluir

sábado, 31 de julho de 2010



Injeção de ânimo

Os apaixonados vilanovenses foram prestigiar, para variar, mais um estreante em seu time, o treinador Roberto Cavalo. Aliás, ultimamente esta tem sido a rotina dos torcedores, prestigiarem as novidades da equipe. Contrata e dispensa jogadores e treinadores, quanta rotatividade, ninguém pode reclamar dos dirigentes do Vila, pelo menos eles estão tentando, só não estão acertando. Roberto Cavalo será a injeção de ânimo de que o time está precisando para deixar a incômoda lanterna? Esperamos que sim, mas o reencontro com a vitória não aconteceu na primeira partida comandada por Cavalo. Entretanto, o time apresentou uma considerável melhora.

Com apenas Roni no ataque, o Tigre no primeiro tempo, criou algumas oportunidades de gol. A forte marcação no meio campo proporcionou mais segurança para os zagueiros e uma maior agilidade para os meias ofensivos, Mateus e Davi. Pela primeira vez na competição eu vi o Vila ter uma boa atuação; o time estava compacto, ocupando o campo como um todo, melhor escrevendo, havia desaparecido o enorme abismo entre defesa, meio campo e ataque tão recorrente nos jogos anteriores. O ala esquerdo improvisado Jorge Henrique cumpriu bem seu papel, penso que ele pode ser efetivado na posição. Já o ala direito do Vila carece melhorar seu futebol, as melhores jogadas do Coritiba saiam nas costas dele. Sorte de Dedê que havia Juninho para auxiliá-lo. Juninho que não é aquele franzininho do time da Campininha e muito menos aquele que jogou no próprio Vila(um que veio de determinado país da Europa) teve uma grande atuação; com uma impecável marcação, ainda saia rápido na armação das jogadas. O gol no primeiro tempo não saiu, mas eu estava animada com o futebol apresentado pelo Colorado. Animados também, deveriam estar os apaixonados torcedores colorados. Entretanto, alegria de pobre, digo, de colorado, de esmeraldino e de rubro-negro ultimamente tem durado pouco.

No segundo tempo, o comandante Colorado, querendo vencer a partida sacou um homem de marcação, Rodrigo Thiesen e colocou o atacante Sassá. Ah, agora com dois atacantes, Roni e Sassá, gols não iriam faltar. Mero engano. O Coritiba engoliu o meio campo do Vila, assim, Cavalo para tentar remediar a situação sacou Mateus e Jorge Henrique, os quais estavam atuando bem. Davi Ceará e Bruno Lopes foram os escolhidos por ele. O atacante Bruno Lopes, ficou meio perdido em campo, não sabia qual função desempenhar: ala de marcação ou atacante? Na dúvida, não desempenhou nem uma das funções. Com relação ao Sassá, pior do que ele só o Davi Ceará.

Com as substituições de Cavalo, o bom futebol apresentado na etapa inicial da partida pelo Vila, também fora substituído. O time simplesmente não jogou mais, contudo ainda conseguia se segurar na defesa. Mas para a infelicidade da nação colorada, numa cobrança de falta, a qual não me pareceu falta, mas foi falta, vez que o árbitro marcou, o Coritiba balançou as redes goianas. Vale ressaltar que a cobrança de falta foi de longe, a bola foi mais ou menos no ângulo, Max mais uma vez nem se mexeu, entretanto, acredito que ele não conseguiria chegar à bola, então para quê ficar se esforçando fisicamente em vão. É a lei do mínimo esforço e como tem seguido tal lei ultimamente o goleiro vilanovense.

Considerando a situação em que se encontra o Vila na competição e a do adversário em questão, o técnico Colorado poderia ter permanecido com mais marcação no meio campo, isso não significaria pouco poder ofensivo, tanto que no primeiro tempo o time criou boas jogadas e algumas oportunidades de gols. Elementos que não foram presentes no segundo tempo. Se bem que o Tigre se encontra muito fraco, sem muitas forças, com isso ao ver suas presas com aquelas Coxas Brancas, perdeu o apetite e resolveu poupar o pouco da energia que ainda lhe resta. Ah, e tomara que o Cavalo que se encontra pelas bandas da Vila Nova não seja Paraguaio; Pangaré é até aceitável, mas quem sabe ele não seja um Banda Larga, digo, Manga Larga, ou Apaloose...



P.s.: O novo uniforme do Vila apresenta uma combinação “perfeita” de cores. Laranja e vermelho são tonalidades bem suaves. Temos agora o Tricolor de Goiânia, apresentando as cores: vermelho,laranja e branco. Juninho para dar um toque especial nas cores discretas, atuou com chuteiras amarelas.


2 comentários:

  1. Oi, Lívia. Como está?
    Olha, não entendo muito de futebol, embora seja primo do Finazzi - que você já deve ter ouvido falar. De qualquer forma, você me parece muito assertiva em suas opiniões e fala com propriedade e muito conhecimento sobre o assunto. Parabéns pelo texto, pelas fotos dos ipês e pelo blog todo. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Lívia.
    Vc entende mesmo de futebol hem menina? Gostei demais do seu blog. Obrigada pela visita, fiquei feliz que tenha gostado do meu poema lá no Eduardo. Deixo aqui um de presente pra vc. Escolhi este depois que li uma publicação mais antiga aqui no seu blog. Muito bom!!!!!! Bjos!!!

    DECISÃO

    Decidi ser feliz,
    Não importa se está claro ou escuro,
    Se está quente,
    Se está frio.
    Não importa...
    Serei feliz assim mesmo!
    Não importa se tenho você aqui
    Ou se longe de mim estás
    Não importa...
    Serei feliz assim mesmo!
    Pois de tanto procurar
    A felicidade encontrar
    Descobri onde ela está.
    Banhando meus sonhos de amor
    Nas águas salgadas do mar
    Nos raios do Sol
    Ou na luz do Luar
    Viajei pra dentro de mim
    Perdi-me nos labirintos do meu ser
    Não desisti, insisti
    E quando enfim me encontrei...
    Lá estava ela
    Sorrindo pra mim.

    Zezinha Sousa

    ResponderExcluir