terça-feira, 15 de junho de 2010

XVI Mostra pedagógica do Waldemar Mundim : um mundim repleto de saber e interatividade



XVI Mostra pedagógica do Waldemar Mundim, o que dizer deste evento? Bem, inicio do início, ou melhor, antes da abertura do evento em si.
Os alunos começaram chegar antes mesmo das 7h:00 da manhã, afinal todos queriam garantir suas salas preferidas para organizarem seus trabalhos. Teve turma que se mostrou muito egoísta, não quis dividir a sala com ninguém; de nada adiantou eu ou a professora Janete insistir. Mas depois entendi os meninos, eles ocuparam todo o espaço da sala; estavam abordando a cultura americana – o Halloween - , tinha cada coisa nessa sala, que medo! Por falar em medo e susto, tinha uma sala de cinema 3D, quase fui atingida por uma espada e uma bomba. Ufa! Saí de lá rapidamente.
Arruma uma sala aqui, arruma uma sala ali; as moças do 3º trataram de ficar num cantinho muito especial da escola, uma arena recém construída. Elas estavam apresentando a festança de junho, homenageando os três santos e aproveitaram para arrecadar um dinheirinho com a venda de comidas típicas da época. As garotas não perdem tempo, além de enriquecerem culturalmente, ganhar pontos na média, elas faturaram um dinheirinho para a festa de formatura. Eu vi a Grazielle uma das mais sapecas da turma colocar Santo Antônio de cabeça para baixo; deixa disso menina se dedique aos estudos.
Depois da agitação para organizar bem o espaço para mostrar seus trabalhos, os alunos, comunidade escolar e demais participantes se concentraram no pátio da escola para acompanhar a abertura do evento. O diretor Aires Francisco foi quem deu por iniciada a Mostra. Com um discurso bem humorado ressaltou a importância deste tipo de evento, o qual se tem um envolvimento dos alunos, pais e comunidade escolar, todos unidos em prol do conhecimento e da ética. Aires disse que 16 é a idade dele, alguns alunos acrescentaram que só se fosse em cada perna. Como eles são bonzinhos, vez que além das duas pernas, acrescento os dois braços também. Que o diretor não leia este texto. As bonequinhas das professoras Degmar e Thaís iriam dar início às apresentações; como elas são lindas. Mas para o nosso azar, o som não funcionou, entretanto, o Jéferson e a Patrícia de som não precisaram e as poesias criadas por eles de forma brilhante apresentaram.
Após a abertura, fomos visitar os trabalhos expostos pelos meninos. Quanto trabalho bom! Conheci mais de perto a cultura africana; religião, música, culinária; bolo de pimenta; hum, o paladar não agüenta! Tinha até a cultura japonesa representada naqueles desenhos dos meninos e meninas dos olhos grandes; nunca entendi aqueles desenhos, mas também pudera sou da época da Caverna do Dragão. Contudo, entendo o motivo dos olhos dos personagens animados serem tão grandes; pelo menos nos desenhos os japoneses tem olhos bem abertos. Ao passar pela cultura gaúcha, não tive como escapar de experimentar pinhão; que indigestão! Tinha até chimarrão, mas nem cheguei perto não.
Depois fiz uma verdadeira viagem ao tempo, ao deparar com João Mineiro e Marciano, Luiz Gonzaga com Milionário e José Rico, - cansada de tanto esperar a felicidade, sai a sua procura num mundo sem fim... - desculpem-me, divaguei, sou grande fã deles, embora eu não seja da época deles, aprendi apreciá-los com meu velho/novo pai. Nossa, toda essa rapaziada, fiquei até emocionada. Exagero de minha parte a palavra emocionada foi só para rimar. Por falar em música, alguns alunos estavam cantando ao vivo; música é arte.
Saindo da cultura visitei uma sala que me deixou literalmente com o coração na mão e olha que não foi só eu não. Todos que passaram por lá tiveram a oportunidade de ter um contato, com nosso órgão maior, conhecer bem sobre seu funcionamento, aspecto bem explicado pelos alunos e alunas. Além de poder ter a pressão arterial, medida, não deixa eu falar, digo, escrever mais tecnicamente, aferida. Nesta mesma sala, me deparei com artistas, os meninos engajados com a reciclagem, confeccionaram obras de artes, com materiais recicláveis. Química e arte caminham juntas, tinha uns quadros artísticos confeccionados de acordo com determinadas reações químicas. Fiquei impressionada. Tinha o sabão ecológico, minha Vó e minha mãe só utilizam deste. Doença sexualmente transmissível(DST) também teve seu lugar na Mostra. Os alunos trataram do bulling, melhor dizendo, todo tipo de preconceito, agressão física e psicológica , muito mais prático a tradução do que tal nome em inglês, mas todos citam ele, deve ser mais chique.
O Júlio César e seus colegas resolveram realizar o sonho de muita gente, ficar à moda Gisele Bundchen ou Reynaldo Gianecchine era só uma questão de tempo, digo, de tecnologia photoshop. Eu não me aventurei, vez que ao me deparar com a realidade talvez não me conformaria...
A Mostra se estendeu nos três turnos, alguns alunos expuseram seus trabalhos em todos os turnos. Outros apenas no turno que estudam. No turno vespertino, não tive oportunidade de acompanhar mais de perto o evento, entretanto, tudo correu normalmente, o sucesso foi evidente, todos tiveram a oportunidade de apreciar as bonequinhas, desta vez o som funcionou e as bonequinhas a muitos emocionaram.
No noturno teve cada apresentação, mas já era reta final da exposição para nossa desilusão. Grupo de danças, roda de capoeira, desfile de moda com roupas recicláveis. Que moças bonitas! O professor Kleber foi o organizador do desfile, ele não desfilou, mas deveria, pois tem estilo.
Na sala da turma da Vera tinha fila de espera, pois abordava a Culinária Brasileira, todas as regiões estavam representadas por pratos típicos. E degustar todos queriam. O professor Gismair de perto de tal sala não queria mais sair.
E assim meus amigos vou finalizando este texto, sei que não falei de tudo, mas é assim mesmo. Nossa escola se chama Waldemar Mundim, posso dizer que nosso mundim não é fechado, é aberto à interação e conhecimento e é isto que vivemos a todo momento.

5 comentários:

  1. E dá-lhe mais uma mostra cultural!!! essa fechou com chave de ouro!! e que venham as próximas!!! Agora francamente, a professora Lívia deveria ter desfilado também. Mais quem sou eu para d...
    Parabéns pelo blog, showww d bolaa..
    Prof: kleber alves

    ResponderExcluir
  2. E dá-lhe mais uma mostra cultural!!! essa fechou com chave de ouro!! e que venham as próximas!!! Agora francamente, a professora Lívia deveria ter desfilado também. Mais quem sou eu para d...
    Parabéns pelo blog, showww d bolaa..
    Prof: kleber alves

    ResponderExcluir
  3. Valeu, Lívia, pelo Blog. Está batendo um bolão. Parabéns! Ficou muito legal a amostra do nosso mundim (que é um mundão). Bola pra frente! GISMAIR

    ResponderExcluir
  4. Valeu Professor Kleber e valeu professor Gismair. Digo a você professor Kleber que além de levar jeito para modelo, é um excelente humorista; eu desfilando rsrsrs

    ResponderExcluir
  5. A Mostra Pedagógica so teve a contrubir com o nosso aprendizado .foi muito Bom *--*.
    abraços !

    ResponderExcluir

terça-feira, 15 de junho de 2010

XVI Mostra pedagógica do Waldemar Mundim : um mundim repleto de saber e interatividade



XVI Mostra pedagógica do Waldemar Mundim, o que dizer deste evento? Bem, inicio do início, ou melhor, antes da abertura do evento em si.
Os alunos começaram chegar antes mesmo das 7h:00 da manhã, afinal todos queriam garantir suas salas preferidas para organizarem seus trabalhos. Teve turma que se mostrou muito egoísta, não quis dividir a sala com ninguém; de nada adiantou eu ou a professora Janete insistir. Mas depois entendi os meninos, eles ocuparam todo o espaço da sala; estavam abordando a cultura americana – o Halloween - , tinha cada coisa nessa sala, que medo! Por falar em medo e susto, tinha uma sala de cinema 3D, quase fui atingida por uma espada e uma bomba. Ufa! Saí de lá rapidamente.
Arruma uma sala aqui, arruma uma sala ali; as moças do 3º trataram de ficar num cantinho muito especial da escola, uma arena recém construída. Elas estavam apresentando a festança de junho, homenageando os três santos e aproveitaram para arrecadar um dinheirinho com a venda de comidas típicas da época. As garotas não perdem tempo, além de enriquecerem culturalmente, ganhar pontos na média, elas faturaram um dinheirinho para a festa de formatura. Eu vi a Grazielle uma das mais sapecas da turma colocar Santo Antônio de cabeça para baixo; deixa disso menina se dedique aos estudos.
Depois da agitação para organizar bem o espaço para mostrar seus trabalhos, os alunos, comunidade escolar e demais participantes se concentraram no pátio da escola para acompanhar a abertura do evento. O diretor Aires Francisco foi quem deu por iniciada a Mostra. Com um discurso bem humorado ressaltou a importância deste tipo de evento, o qual se tem um envolvimento dos alunos, pais e comunidade escolar, todos unidos em prol do conhecimento e da ética. Aires disse que 16 é a idade dele, alguns alunos acrescentaram que só se fosse em cada perna. Como eles são bonzinhos, vez que além das duas pernas, acrescento os dois braços também. Que o diretor não leia este texto. As bonequinhas das professoras Degmar e Thaís iriam dar início às apresentações; como elas são lindas. Mas para o nosso azar, o som não funcionou, entretanto, o Jéferson e a Patrícia de som não precisaram e as poesias criadas por eles de forma brilhante apresentaram.
Após a abertura, fomos visitar os trabalhos expostos pelos meninos. Quanto trabalho bom! Conheci mais de perto a cultura africana; religião, música, culinária; bolo de pimenta; hum, o paladar não agüenta! Tinha até a cultura japonesa representada naqueles desenhos dos meninos e meninas dos olhos grandes; nunca entendi aqueles desenhos, mas também pudera sou da época da Caverna do Dragão. Contudo, entendo o motivo dos olhos dos personagens animados serem tão grandes; pelo menos nos desenhos os japoneses tem olhos bem abertos. Ao passar pela cultura gaúcha, não tive como escapar de experimentar pinhão; que indigestão! Tinha até chimarrão, mas nem cheguei perto não.
Depois fiz uma verdadeira viagem ao tempo, ao deparar com João Mineiro e Marciano, Luiz Gonzaga com Milionário e José Rico, - cansada de tanto esperar a felicidade, sai a sua procura num mundo sem fim... - desculpem-me, divaguei, sou grande fã deles, embora eu não seja da época deles, aprendi apreciá-los com meu velho/novo pai. Nossa, toda essa rapaziada, fiquei até emocionada. Exagero de minha parte a palavra emocionada foi só para rimar. Por falar em música, alguns alunos estavam cantando ao vivo; música é arte.
Saindo da cultura visitei uma sala que me deixou literalmente com o coração na mão e olha que não foi só eu não. Todos que passaram por lá tiveram a oportunidade de ter um contato, com nosso órgão maior, conhecer bem sobre seu funcionamento, aspecto bem explicado pelos alunos e alunas. Além de poder ter a pressão arterial, medida, não deixa eu falar, digo, escrever mais tecnicamente, aferida. Nesta mesma sala, me deparei com artistas, os meninos engajados com a reciclagem, confeccionaram obras de artes, com materiais recicláveis. Química e arte caminham juntas, tinha uns quadros artísticos confeccionados de acordo com determinadas reações químicas. Fiquei impressionada. Tinha o sabão ecológico, minha Vó e minha mãe só utilizam deste. Doença sexualmente transmissível(DST) também teve seu lugar na Mostra. Os alunos trataram do bulling, melhor dizendo, todo tipo de preconceito, agressão física e psicológica , muito mais prático a tradução do que tal nome em inglês, mas todos citam ele, deve ser mais chique.
O Júlio César e seus colegas resolveram realizar o sonho de muita gente, ficar à moda Gisele Bundchen ou Reynaldo Gianecchine era só uma questão de tempo, digo, de tecnologia photoshop. Eu não me aventurei, vez que ao me deparar com a realidade talvez não me conformaria...
A Mostra se estendeu nos três turnos, alguns alunos expuseram seus trabalhos em todos os turnos. Outros apenas no turno que estudam. No turno vespertino, não tive oportunidade de acompanhar mais de perto o evento, entretanto, tudo correu normalmente, o sucesso foi evidente, todos tiveram a oportunidade de apreciar as bonequinhas, desta vez o som funcionou e as bonequinhas a muitos emocionaram.
No noturno teve cada apresentação, mas já era reta final da exposição para nossa desilusão. Grupo de danças, roda de capoeira, desfile de moda com roupas recicláveis. Que moças bonitas! O professor Kleber foi o organizador do desfile, ele não desfilou, mas deveria, pois tem estilo.
Na sala da turma da Vera tinha fila de espera, pois abordava a Culinária Brasileira, todas as regiões estavam representadas por pratos típicos. E degustar todos queriam. O professor Gismair de perto de tal sala não queria mais sair.
E assim meus amigos vou finalizando este texto, sei que não falei de tudo, mas é assim mesmo. Nossa escola se chama Waldemar Mundim, posso dizer que nosso mundim não é fechado, é aberto à interação e conhecimento e é isto que vivemos a todo momento.

5 comentários:

  1. E dá-lhe mais uma mostra cultural!!! essa fechou com chave de ouro!! e que venham as próximas!!! Agora francamente, a professora Lívia deveria ter desfilado também. Mais quem sou eu para d...
    Parabéns pelo blog, showww d bolaa..
    Prof: kleber alves

    ResponderExcluir
  2. E dá-lhe mais uma mostra cultural!!! essa fechou com chave de ouro!! e que venham as próximas!!! Agora francamente, a professora Lívia deveria ter desfilado também. Mais quem sou eu para d...
    Parabéns pelo blog, showww d bolaa..
    Prof: kleber alves

    ResponderExcluir
  3. Valeu, Lívia, pelo Blog. Está batendo um bolão. Parabéns! Ficou muito legal a amostra do nosso mundim (que é um mundão). Bola pra frente! GISMAIR

    ResponderExcluir
  4. Valeu Professor Kleber e valeu professor Gismair. Digo a você professor Kleber que além de levar jeito para modelo, é um excelente humorista; eu desfilando rsrsrs

    ResponderExcluir
  5. A Mostra Pedagógica so teve a contrubir com o nosso aprendizado .foi muito Bom *--*.
    abraços !

    ResponderExcluir