sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Que venha 2011!

Estamos no último dia de 2010, eu desagurmentada, não disponho de palavras para definir como foi este ano e minhas expectativas para o próximo. Aliás, palavras para caracterizar tal ano e expectativas até as tenho, mas não estou disposta a torná-las coerentes. Sorte a minha, que tenho ele, meu poeta maior, para deixar uma bela mensagem poética para vocês, aliada a tal poesia deixo também a intelectuante e pacificante imagem de nosso Drummond. E que venha 2011.

Receita de ano novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Amigos compartilho com vocês mais uma vez, um artigo escrito pelo professor Gismair Teixeira, o qual também foi publicado em O Popular. Um texto no qual, nosso intelectual professor busca respaldo na teoria bakthiniana para reforçar seus argumentos com relação a eleição do palhaço Tiririca. Quanta perspicácia, meu amigo!

Mikhail Bakhtin e Tiririca

Um dos maiores gênios da literatura universal é sem dúvida alguma Fiodor Dostoiévski. Nos campos da análise literária e linguística, o seu conterrâneo Mikhail Bakhtin rivaliza com ele em importância, sendo considerado um dos maiores teóricos do século 20. Uma de suas obras mais conhecidas no Brasil é Os problemas da poética de Dostoiévski. Nesta peça ensaística sobre a produção de Dostoiévski, Bakhtin retoma os seus apontamentos de pós-graduação sobre a estética de Rabelais, quando abordou o processo de carnavalização no contexto medieval e sua expressão no campo literário.
O crítico russo trata o tema sob uma perspectiva cultural privilegiada. Segundo ele, as festas de carnaval permitem uma subversão na hierarquia dos estratos sociais, quando as classes que compõem a base da pirâmide social podem ridicularizar as que estão acima, despertando humor e não revolta nos elementos dominantes. Em outras palavras, é uma trégua na guerra de classes a que se refere Karl Marx em seus escritos. Nesta linha, ficaram famosos personagens como o pícaro e o bobo da corte, sendo conferido a este último o direito de dizer verdades para o rei que levariam ao degredo ou à forca qualquer outra pessoa.
A política brasileira, em seu ainda recente período de democracia plena, tem se revelado um terreno fértil de aplicação dos pressupostos de Bakhtin. A consagração nas urnas de artistas em declínio, jogadores de futebol em fim de carreira e outras personagens exóticas é um dado que configura esta extensão. Neste particular, o imbróglio da eleição do comediante e ex-palhaço Tiririca no último pleito é o mais recente e emblemático caso. Desde o mote de campanha do candidato, algo como “Vote em Tiririca, pior do que tá não fica”, até a sua expressiva votação e ainda as canhestras disputas judiciais em torno da legitimidade de sua eleição por conta de seu suposto analfabetismo, tudo conduz à teoria bakhtiniana da carnavalização como instância de afrouxamento dos rigores que normalmente imperam numa sociedade organizada.
Não deixa de ser picaresco em alguns aspectos os dados jurídicos apresentados no processo do comediante que tem na palavra “abestado” um bordão artístico. Segundo noticiou a imprensa, testemunhas afirmaram que Tiririca leu e compreendeu 30% daquilo que lhe foi apresentado. Como se pode mensurar a percentagem exata num caso destes é algo que ainda precisa de uma explicação convincente. Ao referir-se à carnavalização, Bakhtin fazia referência àquele período de festas mascaradas que dura cerca de uma semana, quando tudo é permitido. Na política, são quatro anos. É temerário, para dizer o mínimo.

GISMAIR MARTINS TEIXEIRA – Mestre em Literatura pela UFG e professor

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Crônica de encerramento

Pela manhã, minha amiga Elgia disse que eu poderia ter saído com ela, no amigo secreto, é bom que se ressalte, para que eu pudesse escrever um texto para ela; fiquei pensando quanta consideração de minha amiga com meus escritos. Pois bem Elgia, escrevo um texto em especial para você e para todos do meu Mundim, e ao final revelarei o nome de meu amigo(a) secreto(a).
Meus amigos, mais um ano está terminando, o natal está chegando e a nossa vida passando. Os anos passam tão rápido, outro dia era pequena, se bem que ainda continuo pequena, melhor dizendo, outro dia eu era criança, agora eu já tenho duas crianças, semi-adolescentes, mas ainda não tenho cabelos brancos. Nossa vida passa muito rápido, se não tomarmos cuidado passamos por ela sem ao menos de fato viver. Por que escrever isso? Ao certo não sei, talvez pelo fato de estarmos encerrando mais um ano de vida, mais um ano de trabalho e começando fazer planos para 2011.
E o nosso ano de 2010 como foi? Cada um tem sua resposta, mas o certo é que todos tentamos cumprir as promessas que fizemos no ano anterior, vivemos neste ciclo vicioso. Passamos boa parte de nosso tempo em nosso local de trabalho, por isso temos que apreciá-lo.
O ano de 2010 em nosso Mundim foi de várias conquistas, tanto na parte física da escola quanto na pedagógica. Todo dia quando chego pela manhã na escola fico admirando a frente da mesma; o gramado e a fonte deram um maior brilho ao nosso cotidiano; mesmo que a fonte ainda não esteja funcionando. A arena construída para apresentações diversas é um espetáculo; agora temos até uma quadra de areia. Computadores novos com telas de LCD; internet sem fio para nós e para os alunos também, aquele sistema que nunca consigo falar o nome certo, imaginem escrever, nem ousei. Dentre outras coisas, depois me ajudem a lembrar...
Na parte pedagógica aderimos ao ressignificando, os alunos é que trocam de sala; contamos com as salas ambientes, ficamos em segundo lugar em Goiânia nas notas do ENEM; tivemos o primeiro lugar do prêmio estadual de poesia em Super dotação, conquistado pelo nosso menino poeta, Marcos Jefferson; o representante goiano na Casa Branca, Gabriel Santos; vários alunos aprovados na 1ª fase do vestibular da UFG... Até os chineses vieram conhecer a escola modelo, está certo que nossa escola é exceção, mas foi privilegiada pela contestada Secretária da Educação. Além de contarmos com vários projetos desenvolvidos na escola; temos o Mais Educação, a dança do balé é uma sedução; o projeto saúde e prevenção, que grande lição e que vontade de roubar um pé de alface da Horta do professor João.
São conquistas de extrema relevância alcançadas durante este ano e tudo graças ao empenho das pessoas que trabalham no Waldemar Mundim. Não menciono uma pessoa em especial, mas sim o trabalho coletivo desenvolvido por todos nós, cada um teve/tem seu grau de contribuição para que a escola esteja em destaque atualmente.
Depois de tanto escrever, e cansar os ouvidos de vocês com meus escritos, sem muitos rodeios revelo o nome de minha amiga secreta. Fiquei enormemente feliz ao pegar o nome dela; ela é uma pessoa incrível, a qual admiro muito, entretanto, não consigo qualificá-la, ah minha amiga secreta, como qualificar minha amiga secreta? Minha amiga secreta é a Benízia.
Perseverar é preciso

No dia 16 de dezembro foi realizado no Mundim o jantar de formatura dos terceiros anos, foi um evento marcante para os respectivos alunos. Concluir o Ensino Médio é uma etapa importante para dar prosseguimento a vida acadêmica e profissional dos estudantes, quantos ficaram pelo caminho. Os alunos e as alunas estavam muito empolgados com a conclusão desta etapa de ensino e capricharam no visual, a Ângela que o diga. Parabéns a todos vocês pela persistência e que continuem perseverando em busca do conhecimento, pois ele poderá proporcionar coisas maravilhosas na vida de vocês. Perseverar em busca de conhecimento e aprimoramento é preciso.

Jantar

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

“Nem a lua precisa do corpo inteiro para encantar o mundo”

Alunos do 6º ,7º,8º e 9º ano , quanta agitação. “A Clarice roubou pão na casa do João”, era o canto dos alunos na maior animação dentro do ônibus rumo à Trindade. Pensei, nossa, não vai ser fácil controlar os ânimos desta garotada. Mero engano, vocês entenderão posteriormente.
É pelo segundo ano consecutivo que acompanho a professora Degmar e seus alunos em visita a Vila São Cottolengo. Tais visitas encerram o Projeto Saúde e Prevenção do adolescente desenvolvido pela respectiva professora e este ano conta com a professora Thaís. As professoras mobilizaram os alunos e comunidade escolar para doarem alimentos, assim formou-se uma vasta cesta básica, a qual além de muitos mantimentos é permeada por gestos de solidariedade. Entretanto, desta feita, além da cesta, as professoras levaram algumas alunas para fazer apresentações de dança.
Fiquei impressionada com o comportamento dos alunos, a agitação deu lugar a comoção dos mesmos, dos mais pequeninos aos maiores. Eles não tiveram restrições de se aproximarem das pessoas e cumprimentá-las.
As meninas dançarinas de nosso Mundim levaram algo diferenciado para aquelas pessoas sofridas e muitas vezes marginalizadas pela nossa sociedade. O balé ensaiado pela professora Kamila do Projeto Mais Educação, na parte de dança, foi apresentado com classe e delicadeza, foi um primor tal apresentação. Depois outras meninas apresentaram uma dança menos clássica, mas, muito bonita também. Foi emocionante ver como as pessoas da Vila ficaram apreciando a dança das meninas, mesmo que algumas não entendiam o que se passava, entretanto, percebiam que algo diferenciado e mágico estava ocorrendo naquele momento.
Na recepção da Vila lemos em um quadro esta poética frase “Nem a lua precisa do corpo inteiro para encantar o mundo” uma frase que nos leva a reflexões múltiplas. Visitar a Vila e doar um pouco de si, enobrece nossa alma além de alegrar nossos irmãos menos favorecidos. Nossos alunos ao verem o sofrimento daquelas pessoas ficaram comovidos; na volta para Goiânia, à agitação deu lugar a serenidade reflexiva dos mesmos.
Parabéns professoras Degmar e Thaís por tão brilhante iniciativa. Parabéns também para a Kamila por preparar as meninas do balé e a Clarice e a mim também por apoiarmos a iniciativa. E lembrem-se “Nem a lua precisa do corpo inteiro para encantar o mundo”...

Trindade

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Aniversariantes de dezembro
Os professores Edson, Mônica, Fatinha e Maria Odete e a funcionária Vera, aniversariantes do mês de dezembro tiveram seus aniversários comemorados no Mundim. Além da interação entre os colegas de trabalho, houve um compartilhamento alimentar, o qual os nutricionistas não aprovariam muito. Refrigerantes, salgados e um delicioso bolo. Se bem que tinha a mesa de frutas, composta por abacaxi, melancia e banana, entretanto, esta mesas foi pouco frequentada, ora ou outro alguém pegava uma fatia de abacaxi. Parabéns aos respectivos aniversariantes.

Aniversariantes de dezembro

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010




Presente de Natal antecipado
A arena estava armada para o confronto final, Leão X Dragão, das duas feras apenas uma ficaria na prestigiada competição. O Dragão, fera temida, por vezes encolhida no Brasileirão, decidiu sua permanência na série A, na última rodada, tudo para a última hora, assim como faz todo bom cidadão brasileiro. Este é o nosso Dragão campineiro, bem brasileiro!
Os baianos se mostraram muito receptivos, até uma serenata foi oferecida para os atletas atleticanos. Uma serenata um tanto quanto diferente, composta por fogos e buzinas e o pior, durou a noite toda. Vai ver já previam a permanência do time goiano na elite do futebol brasileiro e adiantaram a comemoração. Afinal o povo baiano é cheio de mandinga, pelo menos é o que ouvimos por aí.
O Estádio estava lotado, era gente para todo lado, afinal era a decisão do campeonato. Mesmo que seja uma decisão nostálgica, disputar a permanência na elite, mas infelizmente esta tem sido a triste realidade de nosso futebol goiano. Robston em entrevista antes do jogo disse que os torcedores poderiam gritar, mas em campo seriam onze contra onze. Robston, o coração do Dragão, tinha mesmo razão. A torcida era grande, mas toda rubro-negra, assim como são as cores do Atlético. Os atleticanos se sentiram em casa!
Um jogo nervoso, Elias o habilidoso, não conseguiu jogar. De nada adiantou a diretoria atleticana o seu contrato renovar. Marcão, o artilheiro desajeitadão, mostrou muita disposição, era cada chutão, mas sem direção. E quando acertava o rumo do gol, o chute saia fraco. Assim, não, Marcão. Juninho, o franzininho bom de bola, teve chances claras de gol; na primeira Viáfara superou, mas de cima da linha o marcador tirou e na segunda, o goleiro para escanteio mandou. O time atleticano perdeu boas oportunidades de abrir o marcador e aquele famoso ditado “Quem não faz leva” começou a afligir o torcedor. Que jogo, que emoção!
O jogo foi disputado, muito equilibrado, o Dragão não conseguindo derrotar o Leão, a catimba foi a solução. Ele deve ter aprendido com os argentinos, talvez até com os jogadores do Independiente na última quarta-feira no Serra dourada. Juninho, tadinho, muito fraquinho, não conseguia andar, para sair do gramado precisou de um jogador do vitória o levantar. Ele não gostou muito da ideia e desabou em frente da plateia. Os jogadores do Vitória ficaram muito irritados e por pouco não distribuíram pancadas para todo lado.
Gol não saiu no Barradão, mas não faltou emoção e sofrendo muita pressão, o time goiano ficou na serie A do Brasileirão. Ufa! Que sufoco!
Depois de sofrerem bastante no campeonato, os atleticanos receberam um presente de natal antecipado. E que presente!
Alinhar à direita

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

A Taça do Mundo é nossa

O blog do Mundim participou recentemente de um concurso de blogs promovido pelo NTE(Núcleo de Tecnologias Educacional), na ocasião seriam escolhidos os cinco melhores blogs, ficamos na sexta colocação, passamos perto. Vale ressaltar que havia seis participantes, brincadeira a parte, havia mais de 100 blogs de todo Estado de Goiás participando.

Não ficamos em primeiro lugar, mas para nós nosso blog ocupa o primeiro lugar, pelo menos em nossos corações, a Taça do Mundo é nossa. O blog foi criado pela Valdelândia Braga e agora está sendo continuado por mim, Lívia Aparecida e pela Izabel Amorim. Em nosso blog relatamos fatos do cotidiano escolar, publicamos textos escritos por professores e alunos da escola. Eu mesma sou mestre em ficar escrevendo crônicas sobre eventos ocorridos em nosso Mundim. Tais textos nos diferenciam dos demais blogs. Fiquei tão empolgada com a ideia que acabei criando meu próprio blog e se tiver um concurso deste tipo destinado para professores estarei na disputa e com reais chances de conquistar o topo da classificação. Sou mesmo muito ... digamos.... otimista

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Ciência Experimental, que legal!

Sabem aqueles filmes, nos quais temos aquelas escolas e/ou mesmo universidades? Acredito que sabem do que eu estou falando, pois bem, em tais centros de ensino temos aqueles alunos peraltas, mas não é a peraltice que quero ressaltar, pois aqui no nosso Mundim nossos alunos são muito “comportados”. Bem, em tais filmes sempre vemos laboratórios de experimentos científicos, eu que sempre estudei em escola pública imaginava que isso só existia na ficção, ou em escolas privadas, entretanto, ontem participei de uma aula assim aqui no meu Mundim. Acompanhei a aula optativa de Ciência Experimental, ministrada pela professora Elgia. Ciência Experimental, que legal!
Primeiro presenciei a fabricação de cola de caseína. A Ana Clara e a Áquila(este nome me fez lembrar de um filme, penso que vocês sabem qual é) nos mostraram como se confecciona tal cola. E não é que a cola cola, colou até sacola. Depois o Robson, o Danilo e o José Bernardo fabricaram espuma.
Tudo estava correndo tranquilo na aula de experimentos, mas logo a Gabriela e a Anayle produziram na nossa frente o Sangue do diabo. Ufa, que coisa estranha! Com um monte de substâncias, todas muito bem separadinhas, presenciei a produção do temido sangue. Após o sangue ter ficado pronto, elas colocaram num pano branco, inicialmente ficou manchado, mas depois como num passe de mágica, eis que o sangue desapareceu do pano branco, nem mancha deixou. Que assustador! Após tal experimento fiquei meio agitada e não contive um grito, ao ver o Henrique e o Gabriel tentar colocar um ovo dentro de uma garrafa. Houve uma pequena explosão, fazia parte da atividade, mas assustei e gritei, foi meio baixo; confesso que fiquei sem graça.
Descobri que não precisamos mais preocupar com racionamento de energia, pois se as águas secarem temos outro condutor/produtor de energia, o limão. João Pedro e Walisson, nos mostraram isso. Haja plantação de limoeiros!
Impressionada, meio que assustada com tanto experimento, eis que chega o Pablo com uma vela na mão, isso acalmou meu coração, me fez lembrar até de um poema que o nosso menino poeta dedicou a mim, no qual tinha o seguinte verso: De pé com a vela na mão. Entretanto, não gostei muito deste verso, pois vela, não sei o motivo, me lembra de velório, cemitério, eu até comentei com o professor Gismair e ele me consolou disse que seria pior se fosse deitada com uma vela na mão. Acho que o professor Gismair tem razão. O fato é que o Pablo e o Leonardo apresentaram o experimento da vela que suga água por baixo de um recipiente. A calmaria da vela dos meninos deu lugar à agitação do foguete de balão apresentado pela Leonara e Kátia.
Por último foi a vez da Ana Carla e Larisse elas nos mostraram as cores que se movem, foi um mimo tal apresentação. As meninas com toques de delicadeza e ciência encerraram a manhã de experimentos.
Nós ainda não contamos com um laboratório de ciências como os dos filmes, assim como não temos piscinas e jumps na escola, entretanto, graças ao empenho dos professores isso não é motivo para privar os alunos de tais atividades práticas. Na aula de experimentos científicos percebi o empenho e empolgação dos alunos, além de pesquisarem sobre a experiência a ser demonstrada, eles apresentaram passo a passo como se daria o experimento, desenvolvendo assim a oralidade e /ou competência comunicativa. Parabéns professora Elgia pelo trabalho.

Ciência Experimental

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Mundim na Aqualandi

A professora Tânia em parceria com a iniciativa privada levou seus alunos para aulas de Educação Física no Centro de Esportes Aqualandi. O professor de Educação Física, e também proprietário da Aqualandi, Frederico Landi, prontamente atendeu a proposta da professora, cobrando apenas um valor irrisório pela utilização dos jumps e piscina. Além disso, o professor Fred gentilmente ministrava aula de hidroginástica , enquanto a professora Tânia ministrava as de jump. “O intuito de promover essas aulas foi mostrar para os alunos que as atividades físicas não ficam restritas apenas ao ambiente escolar; tentei mostrar para eles o leque de exercícios físicos que os mesmos podem ter acesso para uma melhor qualidade de vida.” Ressaltou a professora Tânia. Os alunos apreciaram bastante as aula na Aqualandi. Parabéns a professora Tânia pelo empenho em organizar aulas diferenciadas e ao Professor Frederico por ter acolhido o nosso Mundim em seu espaço. Amigos, é a Tânia, aquela mesma que eu em outros textos menciono parecer com a Índia do filme "Uma noite no Museu".
Jump e Hidroginástica

Jump e Hidroginástica II

terça-feira, 23 de novembro de 2010


“Tudo vale a pena se a alma não é pequena”

“Tudo vale a pena se a alma não é pequena”, sempre ouvimos e/ou mesmo repetimos esta representativa frase do poeta português Fernando Pessoa, entretanto, pouco conhecemos o poema que abriga tal frase. Essa frase faz parte de tudo que faço em minha vida, pois quando fazemos as coisas com dedicação e amor, por mais ínfimas que sejam, tais coisas com certeza valerão a pena. Não sei se minha alma é grande, mas penso que tenho uma alma... não sei como qualificar. Aliás como qualificar uma alma? Não sei, penso que nossas almas são como o mar, ora como as ondas tranquilas, ora como as ondas totalmente agitadas. Algumas almas são rasas, sem a mínima expectativa de aprofundarem-se, entretanto, podem ser surpreendidas pelas areias, as quais não oferecem um porto seguro e se veem perdidas nas profundezas sem saberem o que fazer. Outras são profundas, sempre procurando desvendar os mistérios da imensidão submersa do mar. Têm umas almas que só absorvem as águas turvas do mar, passando por uma vida sem ao menos o azul do mar enxergar... Queria continuar falando sobre almas, mas não consigo, então meus amigos e amigas, me ajudem a dar continuidade... Agora compartilho com vocês o poema que incorpora tão brilhante frase:

Mar Português

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma nao é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.

Fernando Pessoa


sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Mundim em O Popular

O texto a seguir foi escrito pelo professor de nosso Waldemar Mundim, Gismair Teixeira – Mestre em Estudos Literários e doutorando pela UFG. Tal texto/artigo foi publicado em O Popular no dia 17 de novembro de 2010. É o nosso Mundim na mídia joranlística goiana. Parabéns professor Gismair pelo brilhante texto, no qual para abordar um fato atual, é moblilizado vários conhecimentos.

A logística do ENEM

O último Exame Nacional do Ensino Médio deixou evidenciado mais uma vez um problema que os especialistas há muito já apontaram e o senso comum já percebeu pela intuição: a aparentemente insuperável dificuldade do Brasil com a logística. A própria literatura já refletiu este calcanhar de Aquiles tupiniquim em páginas que se tornaram clássicas. Em Os sertões, Euclides da Cunha relata os fracassos em batalhas do exército brasileiro contra o arraial de Canudos ocasionados por uma elementar questão de logística, quando os mantimentos necessários não chegavam às tropas exaustas. Foram necessárias algumas expedições fracassadas até que um dos comandantes percebesse o problema e tomasse as medidas necessárias, culminando na vitória final, mas não sem um número grande de vítimas entre os soldados.
Ao vazamento das provas do Enem do ano passado somam-se agora os percalços da última edição, quando erros de impressão em algumas provas prejudicaram uma certa quantidade de alunos. Como se isto não bastasse, em nossa atividade docente tivemos contato com diversos estudantes que prestaram o exame e grande parte reclamou da organização. De fiscais desatentos ao que se passava nas salas ao uso de celulares houve de tudo um pouco, segundo eles. Questões que vazaram para o twitter, espaço de comunicação da internet, são um indício de que estes alunos não exageraram. Como o ensino médio tem sido um gargalo da educação brasileira, a exigir dos especialistas e das autoridades governamentais ações efetivas para a sua melhoria, todos os dissabores envolvendo o Exame Nacional do Ensino Médio vêm como um reforço à percepção que os próprios alunos têm de abandono a que este período da educação está relegado.
Os estudantes nos questionam, não sem uma ponta de certa angústia, o porquê de os concursos vestibulares serem tão bem organizados, raramente apresentando algum problema mais significativo, enquanto o Enem tem se revelado uma dor de cabeça para muitos deles. Em suas mentes juvenis, influencaidas pelos roteiros hollywoodianos, muitos questionam, com base em teorias da conspiração, se tais erros não seriam propositais, com finalidades escusas desencadeadas por forças ocultas, como diria o ex-presidente Jânio Quadros. Queremos crer que não! Quando se olha para os problemas estruturais da vida nacional, em praticamente todos os seus departamentos há sérios problemas de logística. Os exemplos são quase infindáveis e oscilam ao sabor das estações do ano. O problema do Enem é apenas mais um que se soma aos demais, quando o erro de um reduzido grupo de pessoas prejudica a vida de milhares e milhares de outras.
Frase de efeito

Amigos conheçam a frase, digamos, de efeito criada por mim sobre meu Mundim:

domingo, 14 de novembro de 2010


Ganhar, vencer e derrotar.

Diante dos reservas do Palmeiras o Dragão não poderia fraquejar, só havia três possibilidades admitidas: ganhar, vencer e derrotar. Com qualquer um dos resultados o time poderia um pouco se tranqüilizar para na série A ficar. O empate frustrante diante dos reservas do Inter serviria para o time diante do Porco se resguardar. Num jogo morno, o time da Campininha não teve muito trabalho para os três pontos conquistar.
O Palmeiras, no primeiro tempo, conseguiu o rápido toque de bola atleticano neutralizar. O jeito foi pelo alto tentar e Jesiel numa cabeçada forte obrigou o goleiro palmeirense a bola espalmar. Mas Jesiel se limitou a isso, ele não tem conseguido jogar e muito menos gols marcar. Se os atacantes não conseguiam as redes balançar, Gilson, zagueiro artilheiro, foi para a área e num passe da trave, abriu o placar.
Para o segundo tempo saiu Jesiel camisa 99 e entrou Marcão camisa 19 e nada de um camisa 9. Marcão, o artilheiro desajeitadão, ele não marcou gol não, mas a partir de sua disposição saiu mais dois gols do Dragão. Vale destacar o terceiro, ele deu um belo passe para Robston que deu um chute certeiro. Não tinha para goleiro! Neste jogo, os artilheiros não marcaram, mas o zagueiro Gilson e o meia Robston, os torcedores não decepcionaram.
O Dragão ganhou, venceu e derrotou o Porco, 3x0 foi o placar, o mesmo ocorrido no primeiro turno, só não foram os mesmos artilheiros, vez que em território paulista, Elias foi o único a marcar. Neste rodada o time se manteve fora da zona da degola, na décima terceira posição, entretanto, com apenas três pontos a frente do Avaí, time que abre a temida zona. E o pior, o time de Guga será o próximo adversário do Atlético, será mais um jogo de 6 pontos. Tomara que neste jogo o time goiano se de bem, vez que já cedeu 9 pontos ao Atlético Mineiro.
O velho Porco tem sido uma presa fácil para o Dragão. Neste ano eliminou o Palmeiras da Copa do Brasil e goleou por duas vezes e pelo mesmo placar no Brasileirão. Não é qualquer alimento que agrada o paladar da nossa fera mitológica. Carne de galo foi totalmente rejeitada pelo Dragão; em combate com o rei do terreiro permitiu-se levar bicadas e não devorou o Galo mineiro. Tendo oportunidade de degustar um belo peixe de águas salgadas, se limitou a ficar apenas com as tentativas de fisgadas. Entretanto, quando se trata de carne de porco, a fera se transforma e sem muita dificuldade a prepara e a devora.
Atleticanos, carne de porco será o prato da semana, porco à la carte: torresminho, lombinho assado, costelinha frita...Enfim, como preferirem, mas cuidado com a indigestão.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

China no Mundim

Nosso Mundim recepcionou uma comitiva chinesa composta por autoridades do Departamento de Educação de Hebei. Desde cedo pessoas ligadas a Secretaria Estadual de Educação estavam organizando o espaço onde seria recepcionada a comitiva chinesa. É a China no nosso Mundim. Eu estava numa empolgação só, nunca havia visto um chinês/chinesa nato/nata e de uma vez só veria toda uma comitiva composta por mais ou menos 12 pessoas. Era Chinês para não acabar mais.
Logo chegou nossa Secretária de Educação, Milca Severino, como sempre muito atenciosa com todos que vão falar com ela, concedeu entrevistas e ficou aguardando a comitiva. Segundo a Secretária está acontecendo um namoro com os chineses, o qual garantiu ela, bem próximo de casamento. A nossa Secretária não perde tempo, arrumando casamento com chinês. E olha que eles não eram de se jogar fora. Brincadeira a parte, mas estão tentando firmar acordo para intercâmbio cultural e profissional. Alunos e professores da rede Estadual de Educação poderão futuramente ir para China. Eu para aprender uma frase em Chinês teria que ficar lá por pelo menos um ano. Que língua mais complicada! Estava presente também Edvânia Braz Teixeira presidente da comissão de avaliação da Secretaria Estadual de Educação.
Tinham muitos jornalistas e fotógrafos na escola, todos na expectativa de recepcionar os estrangeiros. Não sei muito sobre a cultura chinesa, sei que a população é grande, possuem uma culinária totalmente exótica(já pensou comem até carne de cachorro), entretanto, descobri três particularidades dos chineses a primeira é que eles não são pontuais e a segunda e a terceira... Bem a segunda e a terceira, conto-lhes depois.
Tudo estava preparado para recepcioná-los, a festa estava pronta, só faltavam os convidados. A ansiedade tomou conta dos jornalistas e das autoridades da Educação. Eu como sou uma pessoa tranqüila nem estava me importando com o evento. Parece que estavam com dificuldade de encontrar o endereço. Será que o motorista era chinês? Depois de muita demora, eis que estaciona o micro-ônibus com a tão esperada comitiva. Choveu de fotógrafos para retratar tão esperado momento, até eu estava lá com minha modesta câmera fotográfica. Assim, os chineses adentraram no nosso Mundim.
Assistiram algumas apresentações culturais, eles parecem que gostaram muito e ao final das apresentações o representante da comitiva deu algumas declarações. Nossa, não entendi uma palavra, ainda bem que tinha um intérprete, eles só falavam o mandarim. Ele disse que adorou as apresentações e que pensava que a partir do Waldemar Mundim, poderia fazer uma boa imagem das escolas estaduais do Estado de Goiás. Entretanto, o nosso Mundim é uma escola privilegiada, diferentemente de muitas escolas precárias de nosso Estado.
Depois saíram para conhecer a estrutura da escola, entraram no meu laboratório de informática, sala de línguas, sala de vídeo, biblioteca, arena e horta. Na biblioteca uma chinesa viu uma revista na qual na capa estava escrita, China e ficou apontando para a revista, depois gesticulando pediu para tirar foto conosco. Esta chinesa era muito sorridente, só ficava rindo, eu sou ela na versão brasileira. Depois outra chinesa pediu para tirar fotos conosco. Agora revelo a segunda particularidade dos chineses: as mulheres são simpáticas e sorridentes e os homens sérios demais.
Antes de partirem num gesto de gentileza presenteou o vice-diretor Edson e o nosso Jovem Embaixador Gabriel Santos. Eu também queria um presente! Gentileza, terceira característica do povo chinês. É claro que não tem como estabelecer o perfil de um povo assim...
Foi um evento grandioso, entretanto, não contou com todos os alunos e professores da escola, fato que nos deixou contrariados, pois queriam prestigiar o evento. Contudo, o objetivo da visita diplomática era conhecer a escola em plena atividade, o que não foi possível devido ao atraso da comitiva.
E esse foi um breve relato da visita dos chineses ao nosso Mundim: um mundim repleto de saber e interatividade.
2010-11-12

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Com o pé direito

Inicio a semana de trabalho com o pé direito ao publicar tão belo poema dedicado a mim...

LÍVIA, à quem tanto devo .....

As estrelas que ouvem meus clamores,
são as pontas de gelo que lhe dedico.
Por estarem todas a nos espiar neste céu
atentas por assistir nossas histórias e escolhas.
Mas o que são elas?
Se não parte do carinho e afeto que lhe tenho!
Peço as pedras iluminadas que lhe acompanhe,
e que o sopro delas seja como as brisas que abraçam as manhãs!
E quando olhar em suas mãos, verá o brilho dos cristais,
os que fugiram dos meus olhos em forma de lágrimas
pela saudade que sufoca e aperta meu coração, saudade tua!
E quando a luz te acalentar a alma, e acalmá-la ,
estarei do seu lado, a sorrir feliz por poder estar junto de ti.
Quando o vento lhe tocar a face e os raios encandecerem as nuvens,
lembre-se que sempre vou estar esperando por você, mesmo que demore.
De nada nos vale a eternidade, quando quem amamos está longe.
Assim, os séculos se tornam efémeros e cinzas, tristes e angustiantes.
Mas não pense que o tempo pode apagar o que lhe sinto, não pode.
E mesmo longínquo as vezes, eu estarei a lembrar de uma pessoa especial e encantadora,
Você! À quem tanto devo por cada dia, olhar e suspiro, palavra e atenção!
Só peço que se lembre de mim, nas flores, no orvalho, nos raios!
Por que você está sempre comigo, onde quer que eu vá!
Marcos Jeferson

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Um novo doutorando no Mundim

Parabéns ao Professor Gismair Teixeira por ser o mais novo doutorando da UFG. Gismair foi aprovado na área de Letras e Linguística nos estudos literários.
Gismair

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Entre mulheres


O que estariam fazendo sete mulheres reunidas na casa de uma delas as 16:00h? Posso adiantar-lhes que ao contrário do que Veríssimo pensa não estávamos confabulando para dominar o mundo, vez que já o dominamos. Bem, então o que estávamos fazendo? Bem... eram duas professoras de Matemática(Izabel e Mirian), uma de Língua Portuguesa(Eu), uma de Química(Elgia) duas de Educação Física(Thânia e Cíntia) e uma pedagoga(Elienes).
Não estávamos falando da beleza de determinados professores, atores, jogadores... e /ou da necessidade de perder peso, de comprar um vestido novo, fazer progressiva no cabelo,... nada disso. Estávamos planejando nossas aulas. Combinamos de nos encontrar na casa da professora Thânia(a índia do filme Uma noite no museu)para desenvolver nossas atividades. Thânia fez questão que fosse em sua casa, para que ela pudesse nos apresentar sua casa nova. Assim, ela resolveu preparar um lanche bem especial, ela “fez” bolo do Vila Nova(fubá), sequilhos, coxinhas, pasteizinhos... Fiz questão de conhecer a padaria nas proximidades de sua casa.
Nosso planejamento foi muito proveitoso. Entre planejar uma e outra aula degustávamos as delícias “feitas” pela anfitriã. Só faltou o café! A Thânia se aventurou a desfilar pela casa. Ela vestiu cada vestido bonito. Os vestidos foram levados pela Mirian, além de tal vestimenta ela levou blusas e macacões. Além de professora, Mirian é uma comerciante de mão cheia. Ela não perde tempo. Eu acabei comprando uma blusa. A Elgia, a Izabel, a Cintia e Elienes eram as críticas do desfile. Como foi bom nosso planejamento! Nos divertimos muito.
Thânia obrigadíssima pelo convite, parabéns pela sua nova casa.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Conheçam o Jovem Embaixador

Amigos confiram as fotos de Gabriel Santos, o goiano estudante do Waldemar Mundim que será um dos jovens embaixadores brasileiros nos Estados Unidos da América. Nós do Mundim, estamos em êxtase com a conquista deste garoto. Um milhão de parabéns, Gabriel. Tais fotos foram tiradas por mim antes e depois da divulgação do resultado.

Gabriel
Quem soltou pum?!

Eu, juntamente com a professora de biologia Eleuza e os alunos do 2º A e 2º B fomos visitar a ETE. Foram dois ônibus, fui com os alunos do 2º B e a professora Eleuza com os do 2º A. No ônibus que fui tinha um aluno, Clécio, muito animado, ficava fazendo graça o tempo todo. Como gosto muito de rir, eu era só risada. Clécio disse que sua colega Nayara estava muito emocionada, vez que era a primeira vez que andava num veículo. É um fato corriqueiro, entretanto, provocou humor...
Assistimos a uma palestra sobre a ETE, para podermos conhecer melhor a estação e o processo de tratamento de esgoto. Em tal processo tem até uma tal de torta, mas não se animem com a ideia e nem pensem em experimentá-la. Assistimos atentos à palestra e um vídeo sobre o processo em questão. Na ocasião foi enfatizada também, a importância de se ficar atento no combate a Dengue.
Foi servido um delicioso lanche, e no ápice da minha juventude descobri que não se pode embolar papel quando formos jogá-lo no lixo, se o fizermos este não servirá mais para a reciclagem. Formidável tal descoberta, vivendo e aprendendo.
Depois fizemos um tour pela ETE. Visitamos a piscicultura. Que pena, não levei minha vara de pescar! Na realidade não se pode pescar. Quem pensa que em tal local só tem tratamento de esgoto se engana. Tem até um campo de futebol(Também não levei uma bola!). Em tal ambiente visitamos alguns aquários com peixes encontrados no rio Meia-Ponte. Levei um susto quando vi os Cascudos, que peixes mais feios; parecem aqueles peixes pré-históricos. Visitamos também uma linda fonte, mas para o meu azar não era a da juventude; se bem que sou relativamente jovem. A fonte fica em meio a um pequeno lago, permeado por carpas e piaus. Carpas e piaus, que combinação!Tem um lago maior, no qual tem vários peixes, alevinos, os quais posteriormente serão colocados no Meia-Ponte. É o repeixamento do Meia-Ponte, digo, repovoamento.
"-Hum, quem soltou pum?! Foi você Gabriel?" Não foi ninguém, o ônibus parou frente a uma lagoa de tratamento. Que descontentamento! O Gabriel estava sentado ao meu lado, ele será o embaixador goiano nos Estados Unidos. Será que inteligência é contagiosa?! A professora Eleuza estava muito empolgada com o passeio, não sabia em qual ônibus ficar, quase que ela ficou perdida por lá; enquanto ela dava alguns avisos no ônibus do 2º B o do 2º A começava arrancar e ela descia e saia apressada para lá na ETE não ficar.
Assim, terminamos nosso tour educativo, aprendemos muito e nos divertimos muito também. É muito apaixonante minha profissão...
Alunos do 2º B e do 2º A, parabéns pelo comportamento, foi muito bom passar a manhã com vocês. Professora Eleuza, obrigadíssima pelo convite.

ETE

2010-10-29

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Luto no blog

Depois de ficar extremamente feliz com a escolha do alundo Gabriel como um dos jovens embaixadores do Brasil nos Estados Unidos, eis que a tristeza toma conta do meu ser. Dia 26 de outubro de 2010, o dia em que o polvo profeta Paul foi morar com Deus. Paul fora “decisivo” na Copa do Mundo. Estou muito emocionada... sem mais para o momento... o “blog” enlutado agradece....
Mundim na Casa Branca

Hoje pela manhã tive o privilégio de acompanhar a divulgação dos 35 jovens embaixadores do Brasil que irão para os Estados Unidos. E pela segunda vez um aluno do Waldemar Mundim foi selecionado, desta feita foi Gabriel Santos. Ele estava acompanhando a divulgação diretamente da embaixada dos Estados Unidos em Brasília pela internet no Laboratório de informática, onde fico pela manhã. Alguns colegas do aluno também acompanharam a divulgação; nos emocionamos com Gabriel... não tenho palavras para expressar tal momento, o fato é que Gabriel representará o Estado de Goiás e o Waldemar Mundim nos Estados Unidos em visita a primeira dama. É o Mundim na Casa Branca. Que orgulho deste menino, que orgulho do Waldemar Mundim. Gabriel disse que está muito feliz com a oportunidade e que fará o melhor de si. Está muito grato aos professores e gestores do Mundim. Parabéns a professora de Língua Inglesa Janete Ali Dahbur, por sempre incentivar seus alunos a participarem deste tipo de concurso e parabéns Gabriel pela conquista. Ele me prometeu trazer um fio de cabelo da primeira dama. Vou cobrar, hem garoto!

domingo, 24 de outubro de 2010


Versos para mim

Compartilho com vocês o segundo poema que Patrícia fez para mim. Patrícia é aluna do Mundim, escreve belos poemas e interpreta muito bem. É um poema que retrata o que Patrícia sentiu quando fiquei 25 dias afastada do Mundim. Eu fiquei muito feliz com estes versos. Obrigada, Patrícia por tamanha consideração. Amei seus versos, menina.

Lívia,
Por onde tu foste amiga de versos?
Por que me deixou provar do amargo sumo da saudade?
A que preço fechaste, afastando-te de minhas estrofes?
Doeu teu coração a ponto de não deixar-me mais ver tua face amiga?
Desculpe-me se não conheço a tua dor
Mas seja ela qual for, digo-te:
Colha as pétalas de tua rosa, não as deixe murchar;
Não percas o brilho estelar dos teus olhos.
Amiga, sorria exibas a beleza das tuas palavras
Conforte-me com tua presença
Peço-te não deixe que eu prove novamente da amarga saudade.
Patrícia Rodrigues Lopes

Parabéns Goiânia!

Hoje a cidade mais linda do Brasil completa 77 anos. Além de ser uma cidade linda, é um local muito bom para se viver. Eu vivo Goiânia, eu vivo em Goiânia. Meus amigos que ainda não conhecem tão bela capital do Estado de Goiás, venham conhecê-la. Parabéns Goiânia!

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Besame Mucho

Compartilho com vocês mais uma canção de Bocelli, Besame Mucho. É uma canção belíssima e muito romântica, assim como a maioria interpretada por este cantor/tenor. Apreciem-na:


video

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Presidente do TJGO visita colégio estadual no Conjunto Itatiaia
20/out/2010

Paulo Teles visita colégio do conjunto Itatiaia
Em visita realizada na manhã desta quarta-feira (20/10) ao Colégio Estadual Waldemar Mundim, localizado no Conjunto Itatiaia, o presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás palestrou sobre o Programa Conhecendo o Judiciário e frisou aos estudantes a importância de ouvir a opinião dos jovens sobre o Poder Judiciário. Segundo o desembargador-presidente, é importante que os alunos tenham um conhecimento mínimo sobre o Judiciário para que possam contribuir para melhorias.

Teles convidou os estudantes para participar do concurso de redação porposto pelo programa, que prevê uma premiação de 15 mil para o primeiro lugar, 10 para o segundo e 5 para o terceiro. Além de explicar sobre a composição do TJGO e como é o andamento de um processo, também falou sobre a carreira na área jurídica e destacou que não há como vencer na vida sem estudo. O presidente do TJGO ainda perguntou aos ouvintes se sabiam onde ficavam as sedes dos três poderes em Goiânia e os estimulou a procurarem conhecer.


Paulo Teles responde perguntas e explica o funcionamento do judiciário
Após a explanação, os alunos fizeram perguntas sobre a rotina do Judiciário, direitos, e o que acontecem com os juízes que cometem erros. A aluna Lucineide dos Santos da Silva, da 3ª série do Ensino Médio, disse que vai participar do concurso de redação com a intenção de ganhar o prêmio, mas também para obter conhecimentos sobre o Judiciário e seus componentes.

O diretor do colégio, professor Aires de Oliveira, ressaltou que a escola pública carece de políticas públicas para motivar seus alunos e incentivá-los a acreditar que poder ir mais longe do que apenas a conclusão do ensino médio.



Texto: Carolina Zafino
Fotos: Dayane Fonte
http://www.tjgo.jus.br/bw/?p=42753

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Homenagem aos Professores do Mundim

Breve texto sobre o evento, por enquanto apreciem as fotos

Homenagem aos professores

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Dia do professor

Mais um dia do Professor, mais um ano como professora. Continuo sem inspiração para escrever as mais belas palavras rimando em versos em nossa homenagem, durante dois anos tentei encontrá-las, mas ainda não as encontrei. Atualmente, diferentemente de 2008, não trabalho mais na Vila Mutirão, no Colégio Severiano de Araújo, entretanto, lembro-me e tenho saudades de tal colégio até hoje. Como eu gostava dos meus alunos do 6º e 7º ano e dos meus colegas de trabalho do Severiano. Os meninos eram muito carentes, não só financeiramente, mas de carinho e atenção também. Eles eram muito amorosos; viam em mim a possibilidade de um futuro melhor e adoravam me presentear com balas, chicletes... para eles era satisfatório me fazer um agrado. Que saudades! Hoje trabalho no Colégio Waldemar Mundim, amo trabalhar no Mundim.
Nós professores estamos em sala de aula não apenas para repassar conhecimento como também para aprender com os alunos; incentivá-los a alçarem voos maiores -vestibulares, concursos...-; serem cidadãos que saibam exercer cidadania; mostrar que o conhecimento é um bem precioso, o qual ninguém pode tomá-lo e que a partir dele eles poderão conquistar seus sonhos. A interação e a possibilidade de proporcionar um futuro melhor para os nossos alunos fazem com que nossa profissão seja gratificante. Entretanto, nossa profissão não é apenas um mar de rosas, enfrentamos dificuldades: como a desvalorização de nossa classe; problemas com indisciplina e falta de interesse por parte de alguns alunos. Falando nisso me recordo de um poema de meu poeta maior, Carlos Drummond de Andrade:

Professor
O professor disserta
Sobre ponto difícil do programa.
Um aluno dorme,
Cansado das canseiras desta vida
O professor vai sacudi-lo?
Vai repreendê-lo?
Não.
O professor baixa a voz
Com medo de acordá-lo.

Trabalhamos num jardim tomado por belas flores; flores estas com pontiagudos espinhos. Contudo, pelo que eu saiba todas as profissões tem seus prós e seus contras, até mesmo os políticos, com certeza, encontram suas dificuldades, tanto para se elegerem quanto para se manterem no poder. Posso dizer que tenho orgulho de ser professora, acredito no ensino público de qualidade e luto por isso. Enfim, falar sobre nossa profissão daria uma dissertação de mestrado e/ou uma tese de doutorado, sendo assim, finalizo este texto/relato parabenizando todos nós professores. Nunca é demais repetir: Parabéns para nós professores. “Ser professor é padecer no paraíso”.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Teatro no Mundim

Os alunos do matutino e do vespertino foram ao Teatro e se divertiram bastante, os alunos do noturno não foram, mas não deixaram de prestigiar uma excelente peça de teatro: o Teatro veio até o Mundim. Eles assistiram “A história é uma istória e o homem é o único animal que ri” encenada pelo Grupo Bastet. A história é uma istória trata de derrubar os mitos, questionar os ídolos, ridicularizar os grandes feitos da humanidade, contando-os pela ótica dos excluídos, explorados e derrotados. Millôr Fernandes faz isso de maneira sarcástica e ácida mantendo sempre o bom e velho humor instigante e inteligente. Os atores interagiram com os alunos e professores; o professor Gismair, ou seria Astolfo, que o diga. O professor Gismair foi pego de surpresa pelos atores para participar da peça, foi um momento muito engraçado, vez que ele é um pouco tímido. Os alunos aprovaram com boas risadas a encenação do professor ator. É meus amigos, como eu sempre tenho dito,digo, escrito, nosso Mundim é permeado de talentos e depois do Teatro encenado, descobrimos mais um: Gismair, o qual além de ser um excelente professor se mostrou um bom ator.

Teatro no Mundim

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Chuva de Prata

A chuva fina, fria e branda que cai em Goiânia neste momento me fez lembrar a belíssima canção Chuva de Prata na voz de Gal costa. E resolvi compartilhar com vocês esta pérola da nossa música brasileira.


video

sábado, 2 de outubro de 2010

Jodie Foster

O silêncio dos inocentes, Valente, Plano de Voo, Quarto do Pânico, Ilha da imaginação e Nell, são alguns dos filmes que assisti protagonizados por Jodie Foster. Todos os filmes são excelentes e com interpretações brilhantes desta competente atriz. Em tais filmes, Jodie representa o papel de mulheres de fibra, mas na maioria das vezes sozinha. Os quatro primeiros filmes seguem uma linha de suspense investigativo, no qual Jodie é uma mulher sem um companheiro; em Silêncio dos Inocentes ela parece se envolver emocionalmente com o misterioso e atraente doutor Hannibal Lecter; em Valente ela perde seu namorado logo no início do filme, em Plano de voo, ela está viajando de avião transportando o corpo de seu esposo e em Quarto do Pânico ela é separada. No filme Ilha da imaginação, embora, ela comece o filme sozinha, ela consegue encontrar um amor, é um filme fantasioso, mas lindo.
Já no filme Nell, temos a presença de uma mulher forte, entretanto, foge bem ao estilo dos filmes anteriores. Nell se trata de um filme de 1994, entretanto, só agora em 2010, tive a oportunidade de prestigiá-lo e até o momento estou impressionada com a atuação desta grande atriz. Eu que já era uma grande admiradora dela, após assistir Nell ... Além disso, o filme em si é muito bom, no qual mostra a história de uma jovem que cresceu distante da civilização tendo contato apenas com sua mãe, a qual tinha problemas de saúde(derrame). Sendo assim, passou a se comunicar nos conformes fonéticos de sua única tutora, criando um linguajar próprio, incompreensível para os padrões normais. Depois do falecimento de seu único laço de contato com a humanidade, passa a viver de forma aproximada do padrão dos animais. Entretanto, Nell fora descoberta pelo doutor Jerome Lovell e ... quem não assistiu, assista ao filme, vale a pena. É um filme excelente para pensarmos no processo de aquisição da linguagem: A linguagem é inata ou adquirida? E nas relações entre nós seres humanos ....


















Jodie Foster atuando como Nell

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Saudades do Mundim

Já são quase 20 dias distante das minhas funções no Waldemar Mundim. Que saudades do Mundim!
De segunda a sexta-feira às 6h40 eu adentro o portão do colégio. Sempre chego radiante cumprimentando todos que encontro pelo caminho. Neste horário, sempre tem uma aluna em especial na porta do Colégio, é uma aluna do 3º ano, lembro-me perfeitamente da imagem dela, entretanto, não sei o nome dela. E o interessante é que na maioria das vezes quando eu vou embora entre 12h15 e 12h30 esta mesma aluna está lá; por vezes ela até se diverte com minhas barberagens ao retirar meu carro do estacionamento. Sinto falta dela. Assim como sinto falta de todos do Mundim.
O primeiro lugar que vou quando chego é a cozinha:
- Bom dia Vera, bom dia dona Venina ..... como estão vocês? Vera, Veríssima, seu nome me faz lembrar dos ilustres Veríssimos, pai e filho. O cheirinho do café está bom...
Tomo um copo de café, isso mesmo, não gosto de tomar café em xícara. E logo chegam mais colegas. A Elgia, a Sônia Moura, a Inês... a conversa fica animada. É bom começar o dia de trabalho assim.
-Bom dia professor Jocundo, está tudo certo? O professor Jocundo é coordenador do turno matutino, homem sério, pulso firme, mas um ser humano incrível.
- Bom dia chefíssima. Refiro-me a Elienes também coordenadora do matutino, ela é o poço da seriedade, mas um amor de pessoa. Ela quase não ri, isso por vezes me incomoda, ela tem que rir mais...
-Bom dia Edson, já sarei. Edson é o vice-diretor, ele sempre me pergunta se eu já sarei, o engraçado é que eu nunca estive doente. Ele é casado com a professora Eleuza.
-Tudo bem Aires? Quando teremos teatro novamente na escola? Sempre pergunto isto para ele, sou apaixonada por Teatro e é uma forma atrativa de inserir nossos alunos em atividades culturais. Aires é o diretor da escola.
E por falar em Teatro, temos um professor ator na escola, Kléber Alves e uma uma professora atriz, Cyntia Rodrigues.
-Clarice e o seu Grêmio? Ela é uma gaúcha gremista, professora de matemática e bibliotecária do matutino.
-Vítor, estes times nossos estão muito feios.
A professora Tânia se parece muito com aquela índia do filme “Uma noite no museu”, sempre falo isso para ela e depois fico rindo. E ela diz: Lívia, Lívia esta moça é muito feia? Numa ocasião a professora atriz Cyntia , a qual é muito sapeca, estava por perto e disse: Uai ela se parece com você, você se acha feia?
Assim logo me dirijo para o meu canto na escola, o Laboratório de Informática, o qual fica próximo a Sala de Vídeo e do Laboratório de Línguas. O professor José Pereira é o responsável por estas duas salas, ele é uma gracinha, esquecido que só. Mas todos nós esquecemos um pouco, tem momentos que me esqueço de esquecer das pessoas que eu gosto...
Logo aparecem por lá o menino poeta, Marcos Jefferson, a nossa poetisa Patrícia, Robson, gênio dos recursos tecnológicos, Júlio César, a Nicole, a ...
Lívia, Livinha, Tia, Professora, Menininha, assim sou chamada por colegas e alunos do Mundim. Adoro que me chamem de Livinha, o professor Jocundo e a professora Mônica sempre me chamam assim. Agora, muitos alunos insistem em me chamar de Tia, não gosto muito não... Menininha, quem me chama desta forma é a Fatinha; adoro também ser chamada assim.
Já estava me esquecendo de falar dos meus pupilos, os bolsistas da UFG desorientados por mim, digo orientados. Eles são... meus pupilos. A Edes os conhece bem.
No vespertino também compareço ao Mundim, uma vez por semana, para acompanhar duas bolsistas, elas estão desenvolvendo o projeto nas aulas da professora Fatinha.
-Fatinha cadê a Bia, estou com saudades dela. Bia é netinha da Fatinha. Que danadinha!
-Oi Val. Ela é a coordenadora do vespertino, antes ela era dinamizadora do laboratório de informática, quando iniciei minhas atividades como dinamizadora ela me ajudou muito. Obrigadíssima, Val. E a Nicinha? Atualmente é coordenadora do turno vespertino também, mas antes trabalhava no Laboratório de Línguas pela manhã. Era muito bom trabalhar junto com ela, nos trabalhávamos e nos divertíamos muito também.
A professora Degmar... quando num dia destes passei rapidamente no Mundim para minhas faltas justificar, a professora Degmar veio comigo falar, me viu segurando para não chorar e tentou me consolar, entretanto, suas palavras amigas me fizeram emocionar mais ainda. A dona Terezinha disse que estou fazendo falta lá. Fatinha, dona Terezinha, que saudades da Izabelzinha. A Professora Thaís é uma gracinha.
No noturno dou aulas de Redação e Português as segundas e sextas-feiras, dois dias extremos da semana. É arrumação do coordenador Alessandro, ele se diz fazer de tudo para que o meu horário fique excelente, ele diz que se for preciso me coloca para trabalhar no sábado e no domingo. Quase morro de rir dele! Na segunda minhas aulas são as três últimas e eu que sou uma pessoa nem um pouco ansiosa, as 18h30 já me encontro na escola. Ele faz o que pode com o horário e só o fato dele jamais me colocar para dar aulas na quarta à noite...
E a Benízia? Bem, a Benízia, a Benízia... ela é uma pessoa... hum, como eu poderia qualificá-la?! Quando chego dou um abração nela e tanto ela quanto o Alessandro ficam numa felicidade só, pois não precisarão se preocupar em subir aulas. E como eu chego mais cedo o Alessandro fica procurando alguma coisa para eu fazer. A professora Neusa é uma verdadeira deusa da serenidade. A professora Cinira é uma jovem professora muito séria, muito amiga da também jovem professora Paula, sempre pergunto: Paula, você está indo para a sala de aula? Sou mestre em ficar fazendo estas rimas bobas.
-Professor Gismair, cuidado para não cair. De pronto ele diz: Lívia você veio da Bolívia? Pergunto para a professora Maria José se ela lavou o pé e para a professora Janete se ela mascou chiclete. Elas ficam umas araras comigo... Janete, que rima com Gildete e Maria Odete. A professora Sônia não sofre de insônia, afirmo isso com propriedade. Juntamente com ela fiz o curso Corrigindo redações na UFG, foram dois finais de semana, sábado e domingo o dia todo. Íamos almoçar juntas e ela nem passava perto de alface, pois segundo ela, se ela comesse alface dormiria a tarde toda. E o Davi, será que comeu pequi, ou siri? Nunca perguntei isto para ele, mas deu uma rima até boa.
-Dona Sebastiana diz para mim quem a senhora ama. Também nunca disse isso para ela, vez que ela é muito séria...Vai que ela não gosta...
O professor Edmilson, diz que eu sou engraçada...
Lúcia, Wagda,Weidilene,Solange, Divina, Michel, Moisés, Guardas do Mundim, Edna, Amparo, Sueli, Mirian, Dionísio, Emerson, Paula(temos duas Paulas), Pablo(não é o Picasso)... é muita gente e acho que acabei esquecendo muitos, de antemão peço desculpas por esta minha falta de atenção.
Com relação aos meus alunos, não vou mencionar nomes, vez que são muitos e o texto já está muito extenso, escreverei um texto exclusivo falando deles.
Deixei para falar por último da Estela. Será que a Estela gosta de costela? Não sei dos gostos dela, mas agradeço muito a ela, pois foi ela que me trouxe para o Mundim. Agradeçam e/ou critiquem a Estela por eu fazer parte do Mundim e jamais me cansarei de repetir que tenho orgulho de ser professora e de trabalhar no Waldemar Mundim: um Mundim repleto de saber e interatividade.
Saudades de todos vocês, logo estarei de volta. Um abração no coração de vocês. Abraço no coração?!

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Uma nova pupila
Eu já apresentei alguns de meus pupilos/bolsistas, como o Rafael, a Izabela, a Paula e a Elizabeth, agora chegou a vez da Lídia. Leiam e vejam o trabalho que ela desenvolveu:
Quebra-cabeça textual

No trabalho de leitura interpretação que desenvolvi hoje, os alunos se dividiram em três grupos para descobrir o que o texto dizia. Tiveram que montá-lo antes. Isso porque o texto estava em forma de quebra-cabeça. Como já era esperado saíram textos diferentes do original, mas o sentido e o tema permaneceram, foi um exercício de reflexão, interação e criatividade. Para eles perceberem a importância e onde utilizar as preposições eu as retirei do texto antes e pedi que eles criassem o texto e encontrassem a preposição correta.
Lídia Carla
2010-09-23

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Parabéns para Bocelli
Dia 22 de setembro de 1958 nascia Andrea Bocelli para emocionar o mundo com sua bela voz e com canções extremamente românticas. Parabéns, grande tenor italiano, esperamos que continue nos emocionando por muitos anos. Vejam e ouçam esta canção interpretada por ele e Sarah Brightman, é magnífica:

video

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Que momento lindo parte 2!

Retomando ao momento lindo vivido por mim, descobri o nome das simpáticas pessoas que fizeram a memorável serenata na porta da minha casa, a partir de uma das seresteiras, Karine Serrano, são elas: Nonato Mendes no cavaco, Zé Calistrato no violão e voz, nas vozes: Karine Serrano, Eloisa Mendes, Marlene Honostório, Goiana e Marley. As palavras que se seguem são da jornalista Marley, imaginem como eu me senti ao lê-las : “Lívia, vc conseguiu me deixar muda... Obrigada! Vale a pena trabalhar quando sabemos que o nosso trabalho é reconhecido.
Um grande beijo!” Estou muito sensibilizada pelas suas palavras, Marley. Aproveito para agradecer novamente a todos os seresteiros pela inesquecível serenata e para compartilhar com vocês as imagens deles, pois na ocasião tirei algumas fotos:
Seresteiros
Fora de campo/De volta ao campo

Provas para elaborar, diário para organizar, planos de aula, aulas do mestrado, artigos para entregar, congresso em João Pessoa, atualizar o blog da escola... Em síntese ocupar papéis diversificados: mãe,esposa, professora, aluna, dinamizadora... Ufa! Um cotidiano comum, mas tomado de atividades, as quais são desempenhadas com muita dedicação. É, mas por vezes a vida nos surpreende e eu que andava a 1000 com tantas atribuições tive que pausar tudo e tirar meu time de campo. Fiquei atordoada nestes últimos dias, entretanto, minhas atividades não diminuíram e sim foram substituídas por outras não muito agradáveis: a correria entre hospital, sede do IPASGO e minha casa. Que saudade do meu cotidiano comum! Agora, aos poucos as coisas estão normalizando, estou voltando ao campo. E retorno publicando um poema do Professor Luciano Byron:

BRAÇO: DEUS EM SI

O braço...
Alva seta, flecha certa!
Arredondado, mas sem excessos,
Contornado pelos predicativos.

O braço que me envolve
Não é real, é abstrato...
Nas cenas, o braço me abraça,
O sonho parece o viver,
A cena é clara:
O braço acena que há desejo.

O braço...
Entre ele e o recôndito secreto,
Busco pistas de confirmação.

O braço...
Natural, sem artificialidades,
Sem banalidades:
Capaz de enlouquecer o poeta.

Prof. Luciano Byron

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Que momento lindo!

"Saudade palavra triste quando se perde um grande amor..." Estava eu, ontem, assistindo ao jogo entre São Paulo e Atlético Goiano(é claro), quando umas pessoas simpáticas se reuniram na porta de minha casa e começaram a cantar esta belíssima canção “Meu primeiro amor”. Num primeiro momento fiquei sem reação, pensei: "Nossa o que é isso?! Depois ainda sem sair de dentro de minha sala continuei apreciando tamanha beleza e pensando: "Não vou sair lá fora, pois pode ser engano e eles vão parar de cantar". Assim, quando terminaram de cantar este primor acendi a luz da garagem e finalmente desentoquei de minha sala. Elogiei bastante as simpáticas pessoas e logo elas me esclareceram do que se tratara: elas faziam parte do projeto “Revirada Cultural "promovido pela prefeitura de Goiânia. Aproveitei a oportunidade, pedi para elas cantarem mais uma música e elas prontamente me atenderam; cantaram “Noites goianas”. Que momento lindo vivi ontem, serenata é emocionante demais; como tal tradição pôde ir se perdendo?! Imaginem a emoção que deve ser você receber uma serenata da pessoa amada?! Abaixo coloquei um vídeo da música “Meu primeiro amor” interpretada por Cascatinha e Inhana:


video
O lirismo está no ar
Relato da oficina dos bolsistas Rafael e Izabela, a qual foi ministrada pela Izabela.

Dizer Poemas

Nessa oficina trabalhamos com a leitura dramática de diversos poemas. O nosso objetivo foi levar ao conhecimento dos alunos poemas e poetas consagrados da literatura clássica e descobrir a importância de ouvir e de dizer poemas como forma de penetrar o sentido do texto através dos recursos sonoros e apreender a intencionalidade do autor.
Tivemos como convidada a aluna Ariana Nunes, que, juntamente comigo, faz parte do grupo 'Leitura em Corpo de Voz' coordenado pelo professor Jamesson Buarque, na faculdade de Letras da UFG.
Iniciamos nosso trabalho com a Leitura de 'Trem de Ferro' de Manuel Bandeira, leitura em conjunto para o aquecimento das que viriam a seguir. Depois trabalhamos com poemas de Carlos Drummond de Andrade, Ivan Junqueira, Mario de Andrade, Florbela Espanca, José Paulo Paes e Luis Fernando Veríssimo.
Foi um trabalho muito interessante pois através da apreciação oral percebemos melhor as sensações e impressões passadas pelo jogo sonoro e identificamos esquemas de organização, ritmo, repetições e construções sonoras formadas pelos poetas.
Porém, mais que uma percepção estetico-sonora, os alunos foram levados a buscar o sentido dos poemas lidos. Para tanto, os alunos realizavam a leitura e eram instigados a interpretá-la, por levantamento de hipóteses. Após um consenso do que se tratavam os textos, com a emoção e a intencionalidade do autor, era melhor desenvolvidas as estratégias de leitura dramática apresentada. Foi um trabalho divertido e contamos com a participação de todos da classe.

2010-09-03

quinta-feira, 2 de setembro de 2010


Mundim no Teatro

Os Alunos dos 9º anos do Waldemar Mundim foram agraciados com um passeio cultural no Teatro de Tábuas. Além de se divertirem com a peça o “Fim da Picada”, eles ampliaram seus conhecimentos sobre uma doença pouco mencionada, a leichmaniose. Na ocasião os alunos concederam entrevistas para o repórter Murilo Santos da Tv Anhanguera e enfatizaram a imensa satisfação do passeio realizado. É muito importante a iniciativa dos idealizadores do Circuito estrada a fora ao levar o teatro até determinada cidade, Goiânia é a cidade da vez. A partir do entretenimento com a arte e cultura abordam conteúdos de cunho social e informativo. Eu, professora Lívia Aparecida, juntamente com meus colegas Andréia, Cyntia, Dionísio e José Pereira, queremos parabenizar os alunos pelo comportamento exemplar durante todo nosso passeio cultural.

Teatro de Tábuas

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Lendo e entendendo
O relato seguinte foi feito pelas bolsistas Paula Sena e Elizabeth Morena sobre uma das oficinas desenvolvidas por elas (oficinas estas que fazem parte do projeto que elas estão desenvolvendo na escola). Vocês já conhecem quatro bolsistas, só restam mais quatro; logo, logo eu os apresento aqui neste espaço.

Relato da oficina
No encontro de hoje trabalhamos com a interpretação de uma fábula que foi entregue no encontro da semana anterior. Para retomarmos o assunto da fábula foi realizada uma leitura da mesma em voz alta, em forma de contação de histórias. Em seguida, foi aberta uma discussão quanto a interpretação da fábula, afim de compreender a “moral da história”. A discussão foi significativa, pois houve participação de vários alunos. Após realizada essa discussão, propomos a leitura de dois textos: A cigarra e a formiga, de La Fontaine e Cigarras e Formigas, de Ziraldo. No primeiro texto, um aluno se posicionou diante da turma e realizou uma leitura em voz alta. Após essa leitura, discutimos sobre a compreensão do texto e apresentamos sucintamente sobre o escritor francês La Fontaine. No segundo texto, como se tratava de uma história em quadrinhos, dividimos as falas das personagens para que cada aluno lesse. Vale ressaltar que a participação dos alunos que leram foi espontânea e que tanto os alunos que haviam lido em voz alta como os que não participaram – nem lendo nem discutindo – no encontro da semana anterior (24.08) participaram da oficina de hoje. Nesta oficina, sublinhamos algumas participações como dos alunos Lucas, Paulo, Elisângela, Allyne e Diego.
Elizabeth Morena e Paula Sena.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Especialidade do Dragão

Embora o Dragão seja uma fera imponente, a qual amedronta muita gente, na elite do futebol brasileiro, a história tem sido um pouco diferente. Levou bicadas de Periquito, de Urubu e de Galo, foi “mordido” por Peixe, enfim todos estavam/estão querendo pontuar em cima da desmistificada fera. As chamas do Dragão estavam servindo apenas para iluminar o caminho dos adversários; as chamas se configuraram em uma potente lanterna. O lanterninha da competição, que humilhação! Era o que mais se ouvia dos locutores e comentaristas da televisão.
Acanhado, ferido, mas faminto e confiante o Dragão foi convidado para alegrar a festa de aniversário do velho Porco; 96 anos no lombo, e por falar em lombo, um lombinho assado cai muito bem . Enfrentar o lanterninha da competição faria jus a comemoração, com dois ou três golpes estaria a fera abatida no chão. Mera ilusão. De nada adiantou o comando do Felipão.
Mal chegou e o Dragão já foi parabenizando o adversário; Elias se mostrou muito solidário e deu três presentes de aniversário. Não sei se os palmeirenses gostaram do presente, mas, porco ganhado, digo, cavalo ganhado, não se olha os dentes; mesmo que seja o preterido presente de grego.
O Dragão se mostrou um exímio especialista na preparação de carne suína. Pela Copa do Brasil, com tamanha paciência saiu um porco à pururuca daqueles... No Brasileirão, após sofrer muita humilhação, e com uma fome de Leão, digo, de Dragão, já foi logo fritando o porco. Entretanto, o lombo foi preparado por último, assado, como este convém ser saboreado. Se por um lado nos últimos anos o Santos tem se consolidado um grande freguês esmeraldino, por outro o Palmeiras tem alegrado muito a freguesia atleticana.
O time do Atlético aos poucos tem progredido. Diante dos reservas do Inter, o time da Campininha teve uma boa atuação, por pouco não ganhou a partida; tinha uma trave no final do caminho da bola chutada por Willian. Contudo, se tratavam dos reservas do Inter, mas o time progredira. No jogo contra o Palmeiras, a progressão continuou; o Atlético foi senhor absoluto do jogo, parecia até que estava jogando em casa. Com o meio campo neutralizando e criando as jogadas, a defesa atleticana ficou sossegada e o ataque mais alimentado. É cedo para tal afirmação, mas me parece que o Diguinho veio para levantar o nível do futebol do Dragão. Será que o Dragão continuará progredindo na competição?

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Que venha 2011!

Estamos no último dia de 2010, eu desagurmentada, não disponho de palavras para definir como foi este ano e minhas expectativas para o próximo. Aliás, palavras para caracterizar tal ano e expectativas até as tenho, mas não estou disposta a torná-las coerentes. Sorte a minha, que tenho ele, meu poeta maior, para deixar uma bela mensagem poética para vocês, aliada a tal poesia deixo também a intelectuante e pacificante imagem de nosso Drummond. E que venha 2011.

Receita de ano novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Amigos compartilho com vocês mais uma vez, um artigo escrito pelo professor Gismair Teixeira, o qual também foi publicado em O Popular. Um texto no qual, nosso intelectual professor busca respaldo na teoria bakthiniana para reforçar seus argumentos com relação a eleição do palhaço Tiririca. Quanta perspicácia, meu amigo!

Mikhail Bakhtin e Tiririca

Um dos maiores gênios da literatura universal é sem dúvida alguma Fiodor Dostoiévski. Nos campos da análise literária e linguística, o seu conterrâneo Mikhail Bakhtin rivaliza com ele em importância, sendo considerado um dos maiores teóricos do século 20. Uma de suas obras mais conhecidas no Brasil é Os problemas da poética de Dostoiévski. Nesta peça ensaística sobre a produção de Dostoiévski, Bakhtin retoma os seus apontamentos de pós-graduação sobre a estética de Rabelais, quando abordou o processo de carnavalização no contexto medieval e sua expressão no campo literário.
O crítico russo trata o tema sob uma perspectiva cultural privilegiada. Segundo ele, as festas de carnaval permitem uma subversão na hierarquia dos estratos sociais, quando as classes que compõem a base da pirâmide social podem ridicularizar as que estão acima, despertando humor e não revolta nos elementos dominantes. Em outras palavras, é uma trégua na guerra de classes a que se refere Karl Marx em seus escritos. Nesta linha, ficaram famosos personagens como o pícaro e o bobo da corte, sendo conferido a este último o direito de dizer verdades para o rei que levariam ao degredo ou à forca qualquer outra pessoa.
A política brasileira, em seu ainda recente período de democracia plena, tem se revelado um terreno fértil de aplicação dos pressupostos de Bakhtin. A consagração nas urnas de artistas em declínio, jogadores de futebol em fim de carreira e outras personagens exóticas é um dado que configura esta extensão. Neste particular, o imbróglio da eleição do comediante e ex-palhaço Tiririca no último pleito é o mais recente e emblemático caso. Desde o mote de campanha do candidato, algo como “Vote em Tiririca, pior do que tá não fica”, até a sua expressiva votação e ainda as canhestras disputas judiciais em torno da legitimidade de sua eleição por conta de seu suposto analfabetismo, tudo conduz à teoria bakhtiniana da carnavalização como instância de afrouxamento dos rigores que normalmente imperam numa sociedade organizada.
Não deixa de ser picaresco em alguns aspectos os dados jurídicos apresentados no processo do comediante que tem na palavra “abestado” um bordão artístico. Segundo noticiou a imprensa, testemunhas afirmaram que Tiririca leu e compreendeu 30% daquilo que lhe foi apresentado. Como se pode mensurar a percentagem exata num caso destes é algo que ainda precisa de uma explicação convincente. Ao referir-se à carnavalização, Bakhtin fazia referência àquele período de festas mascaradas que dura cerca de uma semana, quando tudo é permitido. Na política, são quatro anos. É temerário, para dizer o mínimo.

GISMAIR MARTINS TEIXEIRA – Mestre em Literatura pela UFG e professor

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Crônica de encerramento

Pela manhã, minha amiga Elgia disse que eu poderia ter saído com ela, no amigo secreto, é bom que se ressalte, para que eu pudesse escrever um texto para ela; fiquei pensando quanta consideração de minha amiga com meus escritos. Pois bem Elgia, escrevo um texto em especial para você e para todos do meu Mundim, e ao final revelarei o nome de meu amigo(a) secreto(a).
Meus amigos, mais um ano está terminando, o natal está chegando e a nossa vida passando. Os anos passam tão rápido, outro dia era pequena, se bem que ainda continuo pequena, melhor dizendo, outro dia eu era criança, agora eu já tenho duas crianças, semi-adolescentes, mas ainda não tenho cabelos brancos. Nossa vida passa muito rápido, se não tomarmos cuidado passamos por ela sem ao menos de fato viver. Por que escrever isso? Ao certo não sei, talvez pelo fato de estarmos encerrando mais um ano de vida, mais um ano de trabalho e começando fazer planos para 2011.
E o nosso ano de 2010 como foi? Cada um tem sua resposta, mas o certo é que todos tentamos cumprir as promessas que fizemos no ano anterior, vivemos neste ciclo vicioso. Passamos boa parte de nosso tempo em nosso local de trabalho, por isso temos que apreciá-lo.
O ano de 2010 em nosso Mundim foi de várias conquistas, tanto na parte física da escola quanto na pedagógica. Todo dia quando chego pela manhã na escola fico admirando a frente da mesma; o gramado e a fonte deram um maior brilho ao nosso cotidiano; mesmo que a fonte ainda não esteja funcionando. A arena construída para apresentações diversas é um espetáculo; agora temos até uma quadra de areia. Computadores novos com telas de LCD; internet sem fio para nós e para os alunos também, aquele sistema que nunca consigo falar o nome certo, imaginem escrever, nem ousei. Dentre outras coisas, depois me ajudem a lembrar...
Na parte pedagógica aderimos ao ressignificando, os alunos é que trocam de sala; contamos com as salas ambientes, ficamos em segundo lugar em Goiânia nas notas do ENEM; tivemos o primeiro lugar do prêmio estadual de poesia em Super dotação, conquistado pelo nosso menino poeta, Marcos Jefferson; o representante goiano na Casa Branca, Gabriel Santos; vários alunos aprovados na 1ª fase do vestibular da UFG... Até os chineses vieram conhecer a escola modelo, está certo que nossa escola é exceção, mas foi privilegiada pela contestada Secretária da Educação. Além de contarmos com vários projetos desenvolvidos na escola; temos o Mais Educação, a dança do balé é uma sedução; o projeto saúde e prevenção, que grande lição e que vontade de roubar um pé de alface da Horta do professor João.
São conquistas de extrema relevância alcançadas durante este ano e tudo graças ao empenho das pessoas que trabalham no Waldemar Mundim. Não menciono uma pessoa em especial, mas sim o trabalho coletivo desenvolvido por todos nós, cada um teve/tem seu grau de contribuição para que a escola esteja em destaque atualmente.
Depois de tanto escrever, e cansar os ouvidos de vocês com meus escritos, sem muitos rodeios revelo o nome de minha amiga secreta. Fiquei enormemente feliz ao pegar o nome dela; ela é uma pessoa incrível, a qual admiro muito, entretanto, não consigo qualificá-la, ah minha amiga secreta, como qualificar minha amiga secreta? Minha amiga secreta é a Benízia.
Perseverar é preciso

No dia 16 de dezembro foi realizado no Mundim o jantar de formatura dos terceiros anos, foi um evento marcante para os respectivos alunos. Concluir o Ensino Médio é uma etapa importante para dar prosseguimento a vida acadêmica e profissional dos estudantes, quantos ficaram pelo caminho. Os alunos e as alunas estavam muito empolgados com a conclusão desta etapa de ensino e capricharam no visual, a Ângela que o diga. Parabéns a todos vocês pela persistência e que continuem perseverando em busca do conhecimento, pois ele poderá proporcionar coisas maravilhosas na vida de vocês. Perseverar em busca de conhecimento e aprimoramento é preciso.

Jantar

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

“Nem a lua precisa do corpo inteiro para encantar o mundo”

Alunos do 6º ,7º,8º e 9º ano , quanta agitação. “A Clarice roubou pão na casa do João”, era o canto dos alunos na maior animação dentro do ônibus rumo à Trindade. Pensei, nossa, não vai ser fácil controlar os ânimos desta garotada. Mero engano, vocês entenderão posteriormente.
É pelo segundo ano consecutivo que acompanho a professora Degmar e seus alunos em visita a Vila São Cottolengo. Tais visitas encerram o Projeto Saúde e Prevenção do adolescente desenvolvido pela respectiva professora e este ano conta com a professora Thaís. As professoras mobilizaram os alunos e comunidade escolar para doarem alimentos, assim formou-se uma vasta cesta básica, a qual além de muitos mantimentos é permeada por gestos de solidariedade. Entretanto, desta feita, além da cesta, as professoras levaram algumas alunas para fazer apresentações de dança.
Fiquei impressionada com o comportamento dos alunos, a agitação deu lugar a comoção dos mesmos, dos mais pequeninos aos maiores. Eles não tiveram restrições de se aproximarem das pessoas e cumprimentá-las.
As meninas dançarinas de nosso Mundim levaram algo diferenciado para aquelas pessoas sofridas e muitas vezes marginalizadas pela nossa sociedade. O balé ensaiado pela professora Kamila do Projeto Mais Educação, na parte de dança, foi apresentado com classe e delicadeza, foi um primor tal apresentação. Depois outras meninas apresentaram uma dança menos clássica, mas, muito bonita também. Foi emocionante ver como as pessoas da Vila ficaram apreciando a dança das meninas, mesmo que algumas não entendiam o que se passava, entretanto, percebiam que algo diferenciado e mágico estava ocorrendo naquele momento.
Na recepção da Vila lemos em um quadro esta poética frase “Nem a lua precisa do corpo inteiro para encantar o mundo” uma frase que nos leva a reflexões múltiplas. Visitar a Vila e doar um pouco de si, enobrece nossa alma além de alegrar nossos irmãos menos favorecidos. Nossos alunos ao verem o sofrimento daquelas pessoas ficaram comovidos; na volta para Goiânia, à agitação deu lugar a serenidade reflexiva dos mesmos.
Parabéns professoras Degmar e Thaís por tão brilhante iniciativa. Parabéns também para a Kamila por preparar as meninas do balé e a Clarice e a mim também por apoiarmos a iniciativa. E lembrem-se “Nem a lua precisa do corpo inteiro para encantar o mundo”...

Trindade

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Aniversariantes de dezembro
Os professores Edson, Mônica, Fatinha e Maria Odete e a funcionária Vera, aniversariantes do mês de dezembro tiveram seus aniversários comemorados no Mundim. Além da interação entre os colegas de trabalho, houve um compartilhamento alimentar, o qual os nutricionistas não aprovariam muito. Refrigerantes, salgados e um delicioso bolo. Se bem que tinha a mesa de frutas, composta por abacaxi, melancia e banana, entretanto, esta mesas foi pouco frequentada, ora ou outro alguém pegava uma fatia de abacaxi. Parabéns aos respectivos aniversariantes.

Aniversariantes de dezembro

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010




Presente de Natal antecipado
A arena estava armada para o confronto final, Leão X Dragão, das duas feras apenas uma ficaria na prestigiada competição. O Dragão, fera temida, por vezes encolhida no Brasileirão, decidiu sua permanência na série A, na última rodada, tudo para a última hora, assim como faz todo bom cidadão brasileiro. Este é o nosso Dragão campineiro, bem brasileiro!
Os baianos se mostraram muito receptivos, até uma serenata foi oferecida para os atletas atleticanos. Uma serenata um tanto quanto diferente, composta por fogos e buzinas e o pior, durou a noite toda. Vai ver já previam a permanência do time goiano na elite do futebol brasileiro e adiantaram a comemoração. Afinal o povo baiano é cheio de mandinga, pelo menos é o que ouvimos por aí.
O Estádio estava lotado, era gente para todo lado, afinal era a decisão do campeonato. Mesmo que seja uma decisão nostálgica, disputar a permanência na elite, mas infelizmente esta tem sido a triste realidade de nosso futebol goiano. Robston em entrevista antes do jogo disse que os torcedores poderiam gritar, mas em campo seriam onze contra onze. Robston, o coração do Dragão, tinha mesmo razão. A torcida era grande, mas toda rubro-negra, assim como são as cores do Atlético. Os atleticanos se sentiram em casa!
Um jogo nervoso, Elias o habilidoso, não conseguiu jogar. De nada adiantou a diretoria atleticana o seu contrato renovar. Marcão, o artilheiro desajeitadão, mostrou muita disposição, era cada chutão, mas sem direção. E quando acertava o rumo do gol, o chute saia fraco. Assim, não, Marcão. Juninho, o franzininho bom de bola, teve chances claras de gol; na primeira Viáfara superou, mas de cima da linha o marcador tirou e na segunda, o goleiro para escanteio mandou. O time atleticano perdeu boas oportunidades de abrir o marcador e aquele famoso ditado “Quem não faz leva” começou a afligir o torcedor. Que jogo, que emoção!
O jogo foi disputado, muito equilibrado, o Dragão não conseguindo derrotar o Leão, a catimba foi a solução. Ele deve ter aprendido com os argentinos, talvez até com os jogadores do Independiente na última quarta-feira no Serra dourada. Juninho, tadinho, muito fraquinho, não conseguia andar, para sair do gramado precisou de um jogador do vitória o levantar. Ele não gostou muito da ideia e desabou em frente da plateia. Os jogadores do Vitória ficaram muito irritados e por pouco não distribuíram pancadas para todo lado.
Gol não saiu no Barradão, mas não faltou emoção e sofrendo muita pressão, o time goiano ficou na serie A do Brasileirão. Ufa! Que sufoco!
Depois de sofrerem bastante no campeonato, os atleticanos receberam um presente de natal antecipado. E que presente!
Alinhar à direita

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

A Taça do Mundo é nossa

O blog do Mundim participou recentemente de um concurso de blogs promovido pelo NTE(Núcleo de Tecnologias Educacional), na ocasião seriam escolhidos os cinco melhores blogs, ficamos na sexta colocação, passamos perto. Vale ressaltar que havia seis participantes, brincadeira a parte, havia mais de 100 blogs de todo Estado de Goiás participando.

Não ficamos em primeiro lugar, mas para nós nosso blog ocupa o primeiro lugar, pelo menos em nossos corações, a Taça do Mundo é nossa. O blog foi criado pela Valdelândia Braga e agora está sendo continuado por mim, Lívia Aparecida e pela Izabel Amorim. Em nosso blog relatamos fatos do cotidiano escolar, publicamos textos escritos por professores e alunos da escola. Eu mesma sou mestre em ficar escrevendo crônicas sobre eventos ocorridos em nosso Mundim. Tais textos nos diferenciam dos demais blogs. Fiquei tão empolgada com a ideia que acabei criando meu próprio blog e se tiver um concurso deste tipo destinado para professores estarei na disputa e com reais chances de conquistar o topo da classificação. Sou mesmo muito ... digamos.... otimista

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Ciência Experimental, que legal!

Sabem aqueles filmes, nos quais temos aquelas escolas e/ou mesmo universidades? Acredito que sabem do que eu estou falando, pois bem, em tais centros de ensino temos aqueles alunos peraltas, mas não é a peraltice que quero ressaltar, pois aqui no nosso Mundim nossos alunos são muito “comportados”. Bem, em tais filmes sempre vemos laboratórios de experimentos científicos, eu que sempre estudei em escola pública imaginava que isso só existia na ficção, ou em escolas privadas, entretanto, ontem participei de uma aula assim aqui no meu Mundim. Acompanhei a aula optativa de Ciência Experimental, ministrada pela professora Elgia. Ciência Experimental, que legal!
Primeiro presenciei a fabricação de cola de caseína. A Ana Clara e a Áquila(este nome me fez lembrar de um filme, penso que vocês sabem qual é) nos mostraram como se confecciona tal cola. E não é que a cola cola, colou até sacola. Depois o Robson, o Danilo e o José Bernardo fabricaram espuma.
Tudo estava correndo tranquilo na aula de experimentos, mas logo a Gabriela e a Anayle produziram na nossa frente o Sangue do diabo. Ufa, que coisa estranha! Com um monte de substâncias, todas muito bem separadinhas, presenciei a produção do temido sangue. Após o sangue ter ficado pronto, elas colocaram num pano branco, inicialmente ficou manchado, mas depois como num passe de mágica, eis que o sangue desapareceu do pano branco, nem mancha deixou. Que assustador! Após tal experimento fiquei meio agitada e não contive um grito, ao ver o Henrique e o Gabriel tentar colocar um ovo dentro de uma garrafa. Houve uma pequena explosão, fazia parte da atividade, mas assustei e gritei, foi meio baixo; confesso que fiquei sem graça.
Descobri que não precisamos mais preocupar com racionamento de energia, pois se as águas secarem temos outro condutor/produtor de energia, o limão. João Pedro e Walisson, nos mostraram isso. Haja plantação de limoeiros!
Impressionada, meio que assustada com tanto experimento, eis que chega o Pablo com uma vela na mão, isso acalmou meu coração, me fez lembrar até de um poema que o nosso menino poeta dedicou a mim, no qual tinha o seguinte verso: De pé com a vela na mão. Entretanto, não gostei muito deste verso, pois vela, não sei o motivo, me lembra de velório, cemitério, eu até comentei com o professor Gismair e ele me consolou disse que seria pior se fosse deitada com uma vela na mão. Acho que o professor Gismair tem razão. O fato é que o Pablo e o Leonardo apresentaram o experimento da vela que suga água por baixo de um recipiente. A calmaria da vela dos meninos deu lugar à agitação do foguete de balão apresentado pela Leonara e Kátia.
Por último foi a vez da Ana Carla e Larisse elas nos mostraram as cores que se movem, foi um mimo tal apresentação. As meninas com toques de delicadeza e ciência encerraram a manhã de experimentos.
Nós ainda não contamos com um laboratório de ciências como os dos filmes, assim como não temos piscinas e jumps na escola, entretanto, graças ao empenho dos professores isso não é motivo para privar os alunos de tais atividades práticas. Na aula de experimentos científicos percebi o empenho e empolgação dos alunos, além de pesquisarem sobre a experiência a ser demonstrada, eles apresentaram passo a passo como se daria o experimento, desenvolvendo assim a oralidade e /ou competência comunicativa. Parabéns professora Elgia pelo trabalho.

Ciência Experimental

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Mundim na Aqualandi

A professora Tânia em parceria com a iniciativa privada levou seus alunos para aulas de Educação Física no Centro de Esportes Aqualandi. O professor de Educação Física, e também proprietário da Aqualandi, Frederico Landi, prontamente atendeu a proposta da professora, cobrando apenas um valor irrisório pela utilização dos jumps e piscina. Além disso, o professor Fred gentilmente ministrava aula de hidroginástica , enquanto a professora Tânia ministrava as de jump. “O intuito de promover essas aulas foi mostrar para os alunos que as atividades físicas não ficam restritas apenas ao ambiente escolar; tentei mostrar para eles o leque de exercícios físicos que os mesmos podem ter acesso para uma melhor qualidade de vida.” Ressaltou a professora Tânia. Os alunos apreciaram bastante as aula na Aqualandi. Parabéns a professora Tânia pelo empenho em organizar aulas diferenciadas e ao Professor Frederico por ter acolhido o nosso Mundim em seu espaço. Amigos, é a Tânia, aquela mesma que eu em outros textos menciono parecer com a Índia do filme "Uma noite no Museu".
Jump e Hidroginástica

Jump e Hidroginástica II

terça-feira, 23 de novembro de 2010


“Tudo vale a pena se a alma não é pequena”

“Tudo vale a pena se a alma não é pequena”, sempre ouvimos e/ou mesmo repetimos esta representativa frase do poeta português Fernando Pessoa, entretanto, pouco conhecemos o poema que abriga tal frase. Essa frase faz parte de tudo que faço em minha vida, pois quando fazemos as coisas com dedicação e amor, por mais ínfimas que sejam, tais coisas com certeza valerão a pena. Não sei se minha alma é grande, mas penso que tenho uma alma... não sei como qualificar. Aliás como qualificar uma alma? Não sei, penso que nossas almas são como o mar, ora como as ondas tranquilas, ora como as ondas totalmente agitadas. Algumas almas são rasas, sem a mínima expectativa de aprofundarem-se, entretanto, podem ser surpreendidas pelas areias, as quais não oferecem um porto seguro e se veem perdidas nas profundezas sem saberem o que fazer. Outras são profundas, sempre procurando desvendar os mistérios da imensidão submersa do mar. Têm umas almas que só absorvem as águas turvas do mar, passando por uma vida sem ao menos o azul do mar enxergar... Queria continuar falando sobre almas, mas não consigo, então meus amigos e amigas, me ajudem a dar continuidade... Agora compartilho com vocês o poema que incorpora tão brilhante frase:

Mar Português

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma nao é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.

Fernando Pessoa


sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Mundim em O Popular

O texto a seguir foi escrito pelo professor de nosso Waldemar Mundim, Gismair Teixeira – Mestre em Estudos Literários e doutorando pela UFG. Tal texto/artigo foi publicado em O Popular no dia 17 de novembro de 2010. É o nosso Mundim na mídia joranlística goiana. Parabéns professor Gismair pelo brilhante texto, no qual para abordar um fato atual, é moblilizado vários conhecimentos.

A logística do ENEM

O último Exame Nacional do Ensino Médio deixou evidenciado mais uma vez um problema que os especialistas há muito já apontaram e o senso comum já percebeu pela intuição: a aparentemente insuperável dificuldade do Brasil com a logística. A própria literatura já refletiu este calcanhar de Aquiles tupiniquim em páginas que se tornaram clássicas. Em Os sertões, Euclides da Cunha relata os fracassos em batalhas do exército brasileiro contra o arraial de Canudos ocasionados por uma elementar questão de logística, quando os mantimentos necessários não chegavam às tropas exaustas. Foram necessárias algumas expedições fracassadas até que um dos comandantes percebesse o problema e tomasse as medidas necessárias, culminando na vitória final, mas não sem um número grande de vítimas entre os soldados.
Ao vazamento das provas do Enem do ano passado somam-se agora os percalços da última edição, quando erros de impressão em algumas provas prejudicaram uma certa quantidade de alunos. Como se isto não bastasse, em nossa atividade docente tivemos contato com diversos estudantes que prestaram o exame e grande parte reclamou da organização. De fiscais desatentos ao que se passava nas salas ao uso de celulares houve de tudo um pouco, segundo eles. Questões que vazaram para o twitter, espaço de comunicação da internet, são um indício de que estes alunos não exageraram. Como o ensino médio tem sido um gargalo da educação brasileira, a exigir dos especialistas e das autoridades governamentais ações efetivas para a sua melhoria, todos os dissabores envolvendo o Exame Nacional do Ensino Médio vêm como um reforço à percepção que os próprios alunos têm de abandono a que este período da educação está relegado.
Os estudantes nos questionam, não sem uma ponta de certa angústia, o porquê de os concursos vestibulares serem tão bem organizados, raramente apresentando algum problema mais significativo, enquanto o Enem tem se revelado uma dor de cabeça para muitos deles. Em suas mentes juvenis, influencaidas pelos roteiros hollywoodianos, muitos questionam, com base em teorias da conspiração, se tais erros não seriam propositais, com finalidades escusas desencadeadas por forças ocultas, como diria o ex-presidente Jânio Quadros. Queremos crer que não! Quando se olha para os problemas estruturais da vida nacional, em praticamente todos os seus departamentos há sérios problemas de logística. Os exemplos são quase infindáveis e oscilam ao sabor das estações do ano. O problema do Enem é apenas mais um que se soma aos demais, quando o erro de um reduzido grupo de pessoas prejudica a vida de milhares e milhares de outras.
Frase de efeito

Amigos conheçam a frase, digamos, de efeito criada por mim sobre meu Mundim:

domingo, 14 de novembro de 2010


Ganhar, vencer e derrotar.

Diante dos reservas do Palmeiras o Dragão não poderia fraquejar, só havia três possibilidades admitidas: ganhar, vencer e derrotar. Com qualquer um dos resultados o time poderia um pouco se tranqüilizar para na série A ficar. O empate frustrante diante dos reservas do Inter serviria para o time diante do Porco se resguardar. Num jogo morno, o time da Campininha não teve muito trabalho para os três pontos conquistar.
O Palmeiras, no primeiro tempo, conseguiu o rápido toque de bola atleticano neutralizar. O jeito foi pelo alto tentar e Jesiel numa cabeçada forte obrigou o goleiro palmeirense a bola espalmar. Mas Jesiel se limitou a isso, ele não tem conseguido jogar e muito menos gols marcar. Se os atacantes não conseguiam as redes balançar, Gilson, zagueiro artilheiro, foi para a área e num passe da trave, abriu o placar.
Para o segundo tempo saiu Jesiel camisa 99 e entrou Marcão camisa 19 e nada de um camisa 9. Marcão, o artilheiro desajeitadão, ele não marcou gol não, mas a partir de sua disposição saiu mais dois gols do Dragão. Vale destacar o terceiro, ele deu um belo passe para Robston que deu um chute certeiro. Não tinha para goleiro! Neste jogo, os artilheiros não marcaram, mas o zagueiro Gilson e o meia Robston, os torcedores não decepcionaram.
O Dragão ganhou, venceu e derrotou o Porco, 3x0 foi o placar, o mesmo ocorrido no primeiro turno, só não foram os mesmos artilheiros, vez que em território paulista, Elias foi o único a marcar. Neste rodada o time se manteve fora da zona da degola, na décima terceira posição, entretanto, com apenas três pontos a frente do Avaí, time que abre a temida zona. E o pior, o time de Guga será o próximo adversário do Atlético, será mais um jogo de 6 pontos. Tomara que neste jogo o time goiano se de bem, vez que já cedeu 9 pontos ao Atlético Mineiro.
O velho Porco tem sido uma presa fácil para o Dragão. Neste ano eliminou o Palmeiras da Copa do Brasil e goleou por duas vezes e pelo mesmo placar no Brasileirão. Não é qualquer alimento que agrada o paladar da nossa fera mitológica. Carne de galo foi totalmente rejeitada pelo Dragão; em combate com o rei do terreiro permitiu-se levar bicadas e não devorou o Galo mineiro. Tendo oportunidade de degustar um belo peixe de águas salgadas, se limitou a ficar apenas com as tentativas de fisgadas. Entretanto, quando se trata de carne de porco, a fera se transforma e sem muita dificuldade a prepara e a devora.
Atleticanos, carne de porco será o prato da semana, porco à la carte: torresminho, lombinho assado, costelinha frita...Enfim, como preferirem, mas cuidado com a indigestão.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

China no Mundim

Nosso Mundim recepcionou uma comitiva chinesa composta por autoridades do Departamento de Educação de Hebei. Desde cedo pessoas ligadas a Secretaria Estadual de Educação estavam organizando o espaço onde seria recepcionada a comitiva chinesa. É a China no nosso Mundim. Eu estava numa empolgação só, nunca havia visto um chinês/chinesa nato/nata e de uma vez só veria toda uma comitiva composta por mais ou menos 12 pessoas. Era Chinês para não acabar mais.
Logo chegou nossa Secretária de Educação, Milca Severino, como sempre muito atenciosa com todos que vão falar com ela, concedeu entrevistas e ficou aguardando a comitiva. Segundo a Secretária está acontecendo um namoro com os chineses, o qual garantiu ela, bem próximo de casamento. A nossa Secretária não perde tempo, arrumando casamento com chinês. E olha que eles não eram de se jogar fora. Brincadeira a parte, mas estão tentando firmar acordo para intercâmbio cultural e profissional. Alunos e professores da rede Estadual de Educação poderão futuramente ir para China. Eu para aprender uma frase em Chinês teria que ficar lá por pelo menos um ano. Que língua mais complicada! Estava presente também Edvânia Braz Teixeira presidente da comissão de avaliação da Secretaria Estadual de Educação.
Tinham muitos jornalistas e fotógrafos na escola, todos na expectativa de recepcionar os estrangeiros. Não sei muito sobre a cultura chinesa, sei que a população é grande, possuem uma culinária totalmente exótica(já pensou comem até carne de cachorro), entretanto, descobri três particularidades dos chineses a primeira é que eles não são pontuais e a segunda e a terceira... Bem a segunda e a terceira, conto-lhes depois.
Tudo estava preparado para recepcioná-los, a festa estava pronta, só faltavam os convidados. A ansiedade tomou conta dos jornalistas e das autoridades da Educação. Eu como sou uma pessoa tranqüila nem estava me importando com o evento. Parece que estavam com dificuldade de encontrar o endereço. Será que o motorista era chinês? Depois de muita demora, eis que estaciona o micro-ônibus com a tão esperada comitiva. Choveu de fotógrafos para retratar tão esperado momento, até eu estava lá com minha modesta câmera fotográfica. Assim, os chineses adentraram no nosso Mundim.
Assistiram algumas apresentações culturais, eles parecem que gostaram muito e ao final das apresentações o representante da comitiva deu algumas declarações. Nossa, não entendi uma palavra, ainda bem que tinha um intérprete, eles só falavam o mandarim. Ele disse que adorou as apresentações e que pensava que a partir do Waldemar Mundim, poderia fazer uma boa imagem das escolas estaduais do Estado de Goiás. Entretanto, o nosso Mundim é uma escola privilegiada, diferentemente de muitas escolas precárias de nosso Estado.
Depois saíram para conhecer a estrutura da escola, entraram no meu laboratório de informática, sala de línguas, sala de vídeo, biblioteca, arena e horta. Na biblioteca uma chinesa viu uma revista na qual na capa estava escrita, China e ficou apontando para a revista, depois gesticulando pediu para tirar foto conosco. Esta chinesa era muito sorridente, só ficava rindo, eu sou ela na versão brasileira. Depois outra chinesa pediu para tirar fotos conosco. Agora revelo a segunda particularidade dos chineses: as mulheres são simpáticas e sorridentes e os homens sérios demais.
Antes de partirem num gesto de gentileza presenteou o vice-diretor Edson e o nosso Jovem Embaixador Gabriel Santos. Eu também queria um presente! Gentileza, terceira característica do povo chinês. É claro que não tem como estabelecer o perfil de um povo assim...
Foi um evento grandioso, entretanto, não contou com todos os alunos e professores da escola, fato que nos deixou contrariados, pois queriam prestigiar o evento. Contudo, o objetivo da visita diplomática era conhecer a escola em plena atividade, o que não foi possível devido ao atraso da comitiva.
E esse foi um breve relato da visita dos chineses ao nosso Mundim: um mundim repleto de saber e interatividade.
2010-11-12

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Com o pé direito

Inicio a semana de trabalho com o pé direito ao publicar tão belo poema dedicado a mim...

LÍVIA, à quem tanto devo .....

As estrelas que ouvem meus clamores,
são as pontas de gelo que lhe dedico.
Por estarem todas a nos espiar neste céu
atentas por assistir nossas histórias e escolhas.
Mas o que são elas?
Se não parte do carinho e afeto que lhe tenho!
Peço as pedras iluminadas que lhe acompanhe,
e que o sopro delas seja como as brisas que abraçam as manhãs!
E quando olhar em suas mãos, verá o brilho dos cristais,
os que fugiram dos meus olhos em forma de lágrimas
pela saudade que sufoca e aperta meu coração, saudade tua!
E quando a luz te acalentar a alma, e acalmá-la ,
estarei do seu lado, a sorrir feliz por poder estar junto de ti.
Quando o vento lhe tocar a face e os raios encandecerem as nuvens,
lembre-se que sempre vou estar esperando por você, mesmo que demore.
De nada nos vale a eternidade, quando quem amamos está longe.
Assim, os séculos se tornam efémeros e cinzas, tristes e angustiantes.
Mas não pense que o tempo pode apagar o que lhe sinto, não pode.
E mesmo longínquo as vezes, eu estarei a lembrar de uma pessoa especial e encantadora,
Você! À quem tanto devo por cada dia, olhar e suspiro, palavra e atenção!
Só peço que se lembre de mim, nas flores, no orvalho, nos raios!
Por que você está sempre comigo, onde quer que eu vá!
Marcos Jeferson

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Um novo doutorando no Mundim

Parabéns ao Professor Gismair Teixeira por ser o mais novo doutorando da UFG. Gismair foi aprovado na área de Letras e Linguística nos estudos literários.
Gismair

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Entre mulheres


O que estariam fazendo sete mulheres reunidas na casa de uma delas as 16:00h? Posso adiantar-lhes que ao contrário do que Veríssimo pensa não estávamos confabulando para dominar o mundo, vez que já o dominamos. Bem, então o que estávamos fazendo? Bem... eram duas professoras de Matemática(Izabel e Mirian), uma de Língua Portuguesa(Eu), uma de Química(Elgia) duas de Educação Física(Thânia e Cíntia) e uma pedagoga(Elienes).
Não estávamos falando da beleza de determinados professores, atores, jogadores... e /ou da necessidade de perder peso, de comprar um vestido novo, fazer progressiva no cabelo,... nada disso. Estávamos planejando nossas aulas. Combinamos de nos encontrar na casa da professora Thânia(a índia do filme Uma noite no museu)para desenvolver nossas atividades. Thânia fez questão que fosse em sua casa, para que ela pudesse nos apresentar sua casa nova. Assim, ela resolveu preparar um lanche bem especial, ela “fez” bolo do Vila Nova(fubá), sequilhos, coxinhas, pasteizinhos... Fiz questão de conhecer a padaria nas proximidades de sua casa.
Nosso planejamento foi muito proveitoso. Entre planejar uma e outra aula degustávamos as delícias “feitas” pela anfitriã. Só faltou o café! A Thânia se aventurou a desfilar pela casa. Ela vestiu cada vestido bonito. Os vestidos foram levados pela Mirian, além de tal vestimenta ela levou blusas e macacões. Além de professora, Mirian é uma comerciante de mão cheia. Ela não perde tempo. Eu acabei comprando uma blusa. A Elgia, a Izabel, a Cintia e Elienes eram as críticas do desfile. Como foi bom nosso planejamento! Nos divertimos muito.
Thânia obrigadíssima pelo convite, parabéns pela sua nova casa.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Conheçam o Jovem Embaixador

Amigos confiram as fotos de Gabriel Santos, o goiano estudante do Waldemar Mundim que será um dos jovens embaixadores brasileiros nos Estados Unidos da América. Nós do Mundim, estamos em êxtase com a conquista deste garoto. Um milhão de parabéns, Gabriel. Tais fotos foram tiradas por mim antes e depois da divulgação do resultado.

Gabriel
Quem soltou pum?!

Eu, juntamente com a professora de biologia Eleuza e os alunos do 2º A e 2º B fomos visitar a ETE. Foram dois ônibus, fui com os alunos do 2º B e a professora Eleuza com os do 2º A. No ônibus que fui tinha um aluno, Clécio, muito animado, ficava fazendo graça o tempo todo. Como gosto muito de rir, eu era só risada. Clécio disse que sua colega Nayara estava muito emocionada, vez que era a primeira vez que andava num veículo. É um fato corriqueiro, entretanto, provocou humor...
Assistimos a uma palestra sobre a ETE, para podermos conhecer melhor a estação e o processo de tratamento de esgoto. Em tal processo tem até uma tal de torta, mas não se animem com a ideia e nem pensem em experimentá-la. Assistimos atentos à palestra e um vídeo sobre o processo em questão. Na ocasião foi enfatizada também, a importância de se ficar atento no combate a Dengue.
Foi servido um delicioso lanche, e no ápice da minha juventude descobri que não se pode embolar papel quando formos jogá-lo no lixo, se o fizermos este não servirá mais para a reciclagem. Formidável tal descoberta, vivendo e aprendendo.
Depois fizemos um tour pela ETE. Visitamos a piscicultura. Que pena, não levei minha vara de pescar! Na realidade não se pode pescar. Quem pensa que em tal local só tem tratamento de esgoto se engana. Tem até um campo de futebol(Também não levei uma bola!). Em tal ambiente visitamos alguns aquários com peixes encontrados no rio Meia-Ponte. Levei um susto quando vi os Cascudos, que peixes mais feios; parecem aqueles peixes pré-históricos. Visitamos também uma linda fonte, mas para o meu azar não era a da juventude; se bem que sou relativamente jovem. A fonte fica em meio a um pequeno lago, permeado por carpas e piaus. Carpas e piaus, que combinação!Tem um lago maior, no qual tem vários peixes, alevinos, os quais posteriormente serão colocados no Meia-Ponte. É o repeixamento do Meia-Ponte, digo, repovoamento.
"-Hum, quem soltou pum?! Foi você Gabriel?" Não foi ninguém, o ônibus parou frente a uma lagoa de tratamento. Que descontentamento! O Gabriel estava sentado ao meu lado, ele será o embaixador goiano nos Estados Unidos. Será que inteligência é contagiosa?! A professora Eleuza estava muito empolgada com o passeio, não sabia em qual ônibus ficar, quase que ela ficou perdida por lá; enquanto ela dava alguns avisos no ônibus do 2º B o do 2º A começava arrancar e ela descia e saia apressada para lá na ETE não ficar.
Assim, terminamos nosso tour educativo, aprendemos muito e nos divertimos muito também. É muito apaixonante minha profissão...
Alunos do 2º B e do 2º A, parabéns pelo comportamento, foi muito bom passar a manhã com vocês. Professora Eleuza, obrigadíssima pelo convite.

ETE

2010-10-29

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Luto no blog

Depois de ficar extremamente feliz com a escolha do alundo Gabriel como um dos jovens embaixadores do Brasil nos Estados Unidos, eis que a tristeza toma conta do meu ser. Dia 26 de outubro de 2010, o dia em que o polvo profeta Paul foi morar com Deus. Paul fora “decisivo” na Copa do Mundo. Estou muito emocionada... sem mais para o momento... o “blog” enlutado agradece....
Mundim na Casa Branca

Hoje pela manhã tive o privilégio de acompanhar a divulgação dos 35 jovens embaixadores do Brasil que irão para os Estados Unidos. E pela segunda vez um aluno do Waldemar Mundim foi selecionado, desta feita foi Gabriel Santos. Ele estava acompanhando a divulgação diretamente da embaixada dos Estados Unidos em Brasília pela internet no Laboratório de informática, onde fico pela manhã. Alguns colegas do aluno também acompanharam a divulgação; nos emocionamos com Gabriel... não tenho palavras para expressar tal momento, o fato é que Gabriel representará o Estado de Goiás e o Waldemar Mundim nos Estados Unidos em visita a primeira dama. É o Mundim na Casa Branca. Que orgulho deste menino, que orgulho do Waldemar Mundim. Gabriel disse que está muito feliz com a oportunidade e que fará o melhor de si. Está muito grato aos professores e gestores do Mundim. Parabéns a professora de Língua Inglesa Janete Ali Dahbur, por sempre incentivar seus alunos a participarem deste tipo de concurso e parabéns Gabriel pela conquista. Ele me prometeu trazer um fio de cabelo da primeira dama. Vou cobrar, hem garoto!

domingo, 24 de outubro de 2010


Versos para mim

Compartilho com vocês o segundo poema que Patrícia fez para mim. Patrícia é aluna do Mundim, escreve belos poemas e interpreta muito bem. É um poema que retrata o que Patrícia sentiu quando fiquei 25 dias afastada do Mundim. Eu fiquei muito feliz com estes versos. Obrigada, Patrícia por tamanha consideração. Amei seus versos, menina.

Lívia,
Por onde tu foste amiga de versos?
Por que me deixou provar do amargo sumo da saudade?
A que preço fechaste, afastando-te de minhas estrofes?
Doeu teu coração a ponto de não deixar-me mais ver tua face amiga?
Desculpe-me se não conheço a tua dor
Mas seja ela qual for, digo-te:
Colha as pétalas de tua rosa, não as deixe murchar;
Não percas o brilho estelar dos teus olhos.
Amiga, sorria exibas a beleza das tuas palavras
Conforte-me com tua presença
Peço-te não deixe que eu prove novamente da amarga saudade.
Patrícia Rodrigues Lopes

Parabéns Goiânia!

Hoje a cidade mais linda do Brasil completa 77 anos. Além de ser uma cidade linda, é um local muito bom para se viver. Eu vivo Goiânia, eu vivo em Goiânia. Meus amigos que ainda não conhecem tão bela capital do Estado de Goiás, venham conhecê-la. Parabéns Goiânia!

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Besame Mucho

Compartilho com vocês mais uma canção de Bocelli, Besame Mucho. É uma canção belíssima e muito romântica, assim como a maioria interpretada por este cantor/tenor. Apreciem-na:


video

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Presidente do TJGO visita colégio estadual no Conjunto Itatiaia
20/out/2010

Paulo Teles visita colégio do conjunto Itatiaia
Em visita realizada na manhã desta quarta-feira (20/10) ao Colégio Estadual Waldemar Mundim, localizado no Conjunto Itatiaia, o presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás palestrou sobre o Programa Conhecendo o Judiciário e frisou aos estudantes a importância de ouvir a opinião dos jovens sobre o Poder Judiciário. Segundo o desembargador-presidente, é importante que os alunos tenham um conhecimento mínimo sobre o Judiciário para que possam contribuir para melhorias.

Teles convidou os estudantes para participar do concurso de redação porposto pelo programa, que prevê uma premiação de 15 mil para o primeiro lugar, 10 para o segundo e 5 para o terceiro. Além de explicar sobre a composição do TJGO e como é o andamento de um processo, também falou sobre a carreira na área jurídica e destacou que não há como vencer na vida sem estudo. O presidente do TJGO ainda perguntou aos ouvintes se sabiam onde ficavam as sedes dos três poderes em Goiânia e os estimulou a procurarem conhecer.


Paulo Teles responde perguntas e explica o funcionamento do judiciário
Após a explanação, os alunos fizeram perguntas sobre a rotina do Judiciário, direitos, e o que acontecem com os juízes que cometem erros. A aluna Lucineide dos Santos da Silva, da 3ª série do Ensino Médio, disse que vai participar do concurso de redação com a intenção de ganhar o prêmio, mas também para obter conhecimentos sobre o Judiciário e seus componentes.

O diretor do colégio, professor Aires de Oliveira, ressaltou que a escola pública carece de políticas públicas para motivar seus alunos e incentivá-los a acreditar que poder ir mais longe do que apenas a conclusão do ensino médio.



Texto: Carolina Zafino
Fotos: Dayane Fonte
http://www.tjgo.jus.br/bw/?p=42753

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Homenagem aos Professores do Mundim

Breve texto sobre o evento, por enquanto apreciem as fotos

Homenagem aos professores

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Dia do professor

Mais um dia do Professor, mais um ano como professora. Continuo sem inspiração para escrever as mais belas palavras rimando em versos em nossa homenagem, durante dois anos tentei encontrá-las, mas ainda não as encontrei. Atualmente, diferentemente de 2008, não trabalho mais na Vila Mutirão, no Colégio Severiano de Araújo, entretanto, lembro-me e tenho saudades de tal colégio até hoje. Como eu gostava dos meus alunos do 6º e 7º ano e dos meus colegas de trabalho do Severiano. Os meninos eram muito carentes, não só financeiramente, mas de carinho e atenção também. Eles eram muito amorosos; viam em mim a possibilidade de um futuro melhor e adoravam me presentear com balas, chicletes... para eles era satisfatório me fazer um agrado. Que saudades! Hoje trabalho no Colégio Waldemar Mundim, amo trabalhar no Mundim.
Nós professores estamos em sala de aula não apenas para repassar conhecimento como também para aprender com os alunos; incentivá-los a alçarem voos maiores -vestibulares, concursos...-; serem cidadãos que saibam exercer cidadania; mostrar que o conhecimento é um bem precioso, o qual ninguém pode tomá-lo e que a partir dele eles poderão conquistar seus sonhos. A interação e a possibilidade de proporcionar um futuro melhor para os nossos alunos fazem com que nossa profissão seja gratificante. Entretanto, nossa profissão não é apenas um mar de rosas, enfrentamos dificuldades: como a desvalorização de nossa classe; problemas com indisciplina e falta de interesse por parte de alguns alunos. Falando nisso me recordo de um poema de meu poeta maior, Carlos Drummond de Andrade:

Professor
O professor disserta
Sobre ponto difícil do programa.
Um aluno dorme,
Cansado das canseiras desta vida
O professor vai sacudi-lo?
Vai repreendê-lo?
Não.
O professor baixa a voz
Com medo de acordá-lo.

Trabalhamos num jardim tomado por belas flores; flores estas com pontiagudos espinhos. Contudo, pelo que eu saiba todas as profissões tem seus prós e seus contras, até mesmo os políticos, com certeza, encontram suas dificuldades, tanto para se elegerem quanto para se manterem no poder. Posso dizer que tenho orgulho de ser professora, acredito no ensino público de qualidade e luto por isso. Enfim, falar sobre nossa profissão daria uma dissertação de mestrado e/ou uma tese de doutorado, sendo assim, finalizo este texto/relato parabenizando todos nós professores. Nunca é demais repetir: Parabéns para nós professores. “Ser professor é padecer no paraíso”.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Teatro no Mundim

Os alunos do matutino e do vespertino foram ao Teatro e se divertiram bastante, os alunos do noturno não foram, mas não deixaram de prestigiar uma excelente peça de teatro: o Teatro veio até o Mundim. Eles assistiram “A história é uma istória e o homem é o único animal que ri” encenada pelo Grupo Bastet. A história é uma istória trata de derrubar os mitos, questionar os ídolos, ridicularizar os grandes feitos da humanidade, contando-os pela ótica dos excluídos, explorados e derrotados. Millôr Fernandes faz isso de maneira sarcástica e ácida mantendo sempre o bom e velho humor instigante e inteligente. Os atores interagiram com os alunos e professores; o professor Gismair, ou seria Astolfo, que o diga. O professor Gismair foi pego de surpresa pelos atores para participar da peça, foi um momento muito engraçado, vez que ele é um pouco tímido. Os alunos aprovaram com boas risadas a encenação do professor ator. É meus amigos, como eu sempre tenho dito,digo, escrito, nosso Mundim é permeado de talentos e depois do Teatro encenado, descobrimos mais um: Gismair, o qual além de ser um excelente professor se mostrou um bom ator.

Teatro no Mundim

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Chuva de Prata

A chuva fina, fria e branda que cai em Goiânia neste momento me fez lembrar a belíssima canção Chuva de Prata na voz de Gal costa. E resolvi compartilhar com vocês esta pérola da nossa música brasileira.


video

sábado, 2 de outubro de 2010

Jodie Foster

O silêncio dos inocentes, Valente, Plano de Voo, Quarto do Pânico, Ilha da imaginação e Nell, são alguns dos filmes que assisti protagonizados por Jodie Foster. Todos os filmes são excelentes e com interpretações brilhantes desta competente atriz. Em tais filmes, Jodie representa o papel de mulheres de fibra, mas na maioria das vezes sozinha. Os quatro primeiros filmes seguem uma linha de suspense investigativo, no qual Jodie é uma mulher sem um companheiro; em Silêncio dos Inocentes ela parece se envolver emocionalmente com o misterioso e atraente doutor Hannibal Lecter; em Valente ela perde seu namorado logo no início do filme, em Plano de voo, ela está viajando de avião transportando o corpo de seu esposo e em Quarto do Pânico ela é separada. No filme Ilha da imaginação, embora, ela comece o filme sozinha, ela consegue encontrar um amor, é um filme fantasioso, mas lindo.
Já no filme Nell, temos a presença de uma mulher forte, entretanto, foge bem ao estilo dos filmes anteriores. Nell se trata de um filme de 1994, entretanto, só agora em 2010, tive a oportunidade de prestigiá-lo e até o momento estou impressionada com a atuação desta grande atriz. Eu que já era uma grande admiradora dela, após assistir Nell ... Além disso, o filme em si é muito bom, no qual mostra a história de uma jovem que cresceu distante da civilização tendo contato apenas com sua mãe, a qual tinha problemas de saúde(derrame). Sendo assim, passou a se comunicar nos conformes fonéticos de sua única tutora, criando um linguajar próprio, incompreensível para os padrões normais. Depois do falecimento de seu único laço de contato com a humanidade, passa a viver de forma aproximada do padrão dos animais. Entretanto, Nell fora descoberta pelo doutor Jerome Lovell e ... quem não assistiu, assista ao filme, vale a pena. É um filme excelente para pensarmos no processo de aquisição da linguagem: A linguagem é inata ou adquirida? E nas relações entre nós seres humanos ....


















Jodie Foster atuando como Nell

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Saudades do Mundim

Já são quase 20 dias distante das minhas funções no Waldemar Mundim. Que saudades do Mundim!
De segunda a sexta-feira às 6h40 eu adentro o portão do colégio. Sempre chego radiante cumprimentando todos que encontro pelo caminho. Neste horário, sempre tem uma aluna em especial na porta do Colégio, é uma aluna do 3º ano, lembro-me perfeitamente da imagem dela, entretanto, não sei o nome dela. E o interessante é que na maioria das vezes quando eu vou embora entre 12h15 e 12h30 esta mesma aluna está lá; por vezes ela até se diverte com minhas barberagens ao retirar meu carro do estacionamento. Sinto falta dela. Assim como sinto falta de todos do Mundim.
O primeiro lugar que vou quando chego é a cozinha:
- Bom dia Vera, bom dia dona Venina ..... como estão vocês? Vera, Veríssima, seu nome me faz lembrar dos ilustres Veríssimos, pai e filho. O cheirinho do café está bom...
Tomo um copo de café, isso mesmo, não gosto de tomar café em xícara. E logo chegam mais colegas. A Elgia, a Sônia Moura, a Inês... a conversa fica animada. É bom começar o dia de trabalho assim.
-Bom dia professor Jocundo, está tudo certo? O professor Jocundo é coordenador do turno matutino, homem sério, pulso firme, mas um ser humano incrível.
- Bom dia chefíssima. Refiro-me a Elienes também coordenadora do matutino, ela é o poço da seriedade, mas um amor de pessoa. Ela quase não ri, isso por vezes me incomoda, ela tem que rir mais...
-Bom dia Edson, já sarei. Edson é o vice-diretor, ele sempre me pergunta se eu já sarei, o engraçado é que eu nunca estive doente. Ele é casado com a professora Eleuza.
-Tudo bem Aires? Quando teremos teatro novamente na escola? Sempre pergunto isto para ele, sou apaixonada por Teatro e é uma forma atrativa de inserir nossos alunos em atividades culturais. Aires é o diretor da escola.
E por falar em Teatro, temos um professor ator na escola, Kléber Alves e uma uma professora atriz, Cyntia Rodrigues.
-Clarice e o seu Grêmio? Ela é uma gaúcha gremista, professora de matemática e bibliotecária do matutino.
-Vítor, estes times nossos estão muito feios.
A professora Tânia se parece muito com aquela índia do filme “Uma noite no museu”, sempre falo isso para ela e depois fico rindo. E ela diz: Lívia, Lívia esta moça é muito feia? Numa ocasião a professora atriz Cyntia , a qual é muito sapeca, estava por perto e disse: Uai ela se parece com você, você se acha feia?
Assim logo me dirijo para o meu canto na escola, o Laboratório de Informática, o qual fica próximo a Sala de Vídeo e do Laboratório de Línguas. O professor José Pereira é o responsável por estas duas salas, ele é uma gracinha, esquecido que só. Mas todos nós esquecemos um pouco, tem momentos que me esqueço de esquecer das pessoas que eu gosto...
Logo aparecem por lá o menino poeta, Marcos Jefferson, a nossa poetisa Patrícia, Robson, gênio dos recursos tecnológicos, Júlio César, a Nicole, a ...
Lívia, Livinha, Tia, Professora, Menininha, assim sou chamada por colegas e alunos do Mundim. Adoro que me chamem de Livinha, o professor Jocundo e a professora Mônica sempre me chamam assim. Agora, muitos alunos insistem em me chamar de Tia, não gosto muito não... Menininha, quem me chama desta forma é a Fatinha; adoro também ser chamada assim.
Já estava me esquecendo de falar dos meus pupilos, os bolsistas da UFG desorientados por mim, digo orientados. Eles são... meus pupilos. A Edes os conhece bem.
No vespertino também compareço ao Mundim, uma vez por semana, para acompanhar duas bolsistas, elas estão desenvolvendo o projeto nas aulas da professora Fatinha.
-Fatinha cadê a Bia, estou com saudades dela. Bia é netinha da Fatinha. Que danadinha!
-Oi Val. Ela é a coordenadora do vespertino, antes ela era dinamizadora do laboratório de informática, quando iniciei minhas atividades como dinamizadora ela me ajudou muito. Obrigadíssima, Val. E a Nicinha? Atualmente é coordenadora do turno vespertino também, mas antes trabalhava no Laboratório de Línguas pela manhã. Era muito bom trabalhar junto com ela, nos trabalhávamos e nos divertíamos muito também.
A professora Degmar... quando num dia destes passei rapidamente no Mundim para minhas faltas justificar, a professora Degmar veio comigo falar, me viu segurando para não chorar e tentou me consolar, entretanto, suas palavras amigas me fizeram emocionar mais ainda. A dona Terezinha disse que estou fazendo falta lá. Fatinha, dona Terezinha, que saudades da Izabelzinha. A Professora Thaís é uma gracinha.
No noturno dou aulas de Redação e Português as segundas e sextas-feiras, dois dias extremos da semana. É arrumação do coordenador Alessandro, ele se diz fazer de tudo para que o meu horário fique excelente, ele diz que se for preciso me coloca para trabalhar no sábado e no domingo. Quase morro de rir dele! Na segunda minhas aulas são as três últimas e eu que sou uma pessoa nem um pouco ansiosa, as 18h30 já me encontro na escola. Ele faz o que pode com o horário e só o fato dele jamais me colocar para dar aulas na quarta à noite...
E a Benízia? Bem, a Benízia, a Benízia... ela é uma pessoa... hum, como eu poderia qualificá-la?! Quando chego dou um abração nela e tanto ela quanto o Alessandro ficam numa felicidade só, pois não precisarão se preocupar em subir aulas. E como eu chego mais cedo o Alessandro fica procurando alguma coisa para eu fazer. A professora Neusa é uma verdadeira deusa da serenidade. A professora Cinira é uma jovem professora muito séria, muito amiga da também jovem professora Paula, sempre pergunto: Paula, você está indo para a sala de aula? Sou mestre em ficar fazendo estas rimas bobas.
-Professor Gismair, cuidado para não cair. De pronto ele diz: Lívia você veio da Bolívia? Pergunto para a professora Maria José se ela lavou o pé e para a professora Janete se ela mascou chiclete. Elas ficam umas araras comigo... Janete, que rima com Gildete e Maria Odete. A professora Sônia não sofre de insônia, afirmo isso com propriedade. Juntamente com ela fiz o curso Corrigindo redações na UFG, foram dois finais de semana, sábado e domingo o dia todo. Íamos almoçar juntas e ela nem passava perto de alface, pois segundo ela, se ela comesse alface dormiria a tarde toda. E o Davi, será que comeu pequi, ou siri? Nunca perguntei isto para ele, mas deu uma rima até boa.
-Dona Sebastiana diz para mim quem a senhora ama. Também nunca disse isso para ela, vez que ela é muito séria...Vai que ela não gosta...
O professor Edmilson, diz que eu sou engraçada...
Lúcia, Wagda,Weidilene,Solange, Divina, Michel, Moisés, Guardas do Mundim, Edna, Amparo, Sueli, Mirian, Dionísio, Emerson, Paula(temos duas Paulas), Pablo(não é o Picasso)... é muita gente e acho que acabei esquecendo muitos, de antemão peço desculpas por esta minha falta de atenção.
Com relação aos meus alunos, não vou mencionar nomes, vez que são muitos e o texto já está muito extenso, escreverei um texto exclusivo falando deles.
Deixei para falar por último da Estela. Será que a Estela gosta de costela? Não sei dos gostos dela, mas agradeço muito a ela, pois foi ela que me trouxe para o Mundim. Agradeçam e/ou critiquem a Estela por eu fazer parte do Mundim e jamais me cansarei de repetir que tenho orgulho de ser professora e de trabalhar no Waldemar Mundim: um Mundim repleto de saber e interatividade.
Saudades de todos vocês, logo estarei de volta. Um abração no coração de vocês. Abraço no coração?!

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Uma nova pupila
Eu já apresentei alguns de meus pupilos/bolsistas, como o Rafael, a Izabela, a Paula e a Elizabeth, agora chegou a vez da Lídia. Leiam e vejam o trabalho que ela desenvolveu:
Quebra-cabeça textual

No trabalho de leitura interpretação que desenvolvi hoje, os alunos se dividiram em três grupos para descobrir o que o texto dizia. Tiveram que montá-lo antes. Isso porque o texto estava em forma de quebra-cabeça. Como já era esperado saíram textos diferentes do original, mas o sentido e o tema permaneceram, foi um exercício de reflexão, interação e criatividade. Para eles perceberem a importância e onde utilizar as preposições eu as retirei do texto antes e pedi que eles criassem o texto e encontrassem a preposição correta.
Lídia Carla
2010-09-23

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Parabéns para Bocelli
Dia 22 de setembro de 1958 nascia Andrea Bocelli para emocionar o mundo com sua bela voz e com canções extremamente românticas. Parabéns, grande tenor italiano, esperamos que continue nos emocionando por muitos anos. Vejam e ouçam esta canção interpretada por ele e Sarah Brightman, é magnífica:

video

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Que momento lindo parte 2!

Retomando ao momento lindo vivido por mim, descobri o nome das simpáticas pessoas que fizeram a memorável serenata na porta da minha casa, a partir de uma das seresteiras, Karine Serrano, são elas: Nonato Mendes no cavaco, Zé Calistrato no violão e voz, nas vozes: Karine Serrano, Eloisa Mendes, Marlene Honostório, Goiana e Marley. As palavras que se seguem são da jornalista Marley, imaginem como eu me senti ao lê-las : “Lívia, vc conseguiu me deixar muda... Obrigada! Vale a pena trabalhar quando sabemos que o nosso trabalho é reconhecido.
Um grande beijo!” Estou muito sensibilizada pelas suas palavras, Marley. Aproveito para agradecer novamente a todos os seresteiros pela inesquecível serenata e para compartilhar com vocês as imagens deles, pois na ocasião tirei algumas fotos:
Seresteiros
Fora de campo/De volta ao campo

Provas para elaborar, diário para organizar, planos de aula, aulas do mestrado, artigos para entregar, congresso em João Pessoa, atualizar o blog da escola... Em síntese ocupar papéis diversificados: mãe,esposa, professora, aluna, dinamizadora... Ufa! Um cotidiano comum, mas tomado de atividades, as quais são desempenhadas com muita dedicação. É, mas por vezes a vida nos surpreende e eu que andava a 1000 com tantas atribuições tive que pausar tudo e tirar meu time de campo. Fiquei atordoada nestes últimos dias, entretanto, minhas atividades não diminuíram e sim foram substituídas por outras não muito agradáveis: a correria entre hospital, sede do IPASGO e minha casa. Que saudade do meu cotidiano comum! Agora, aos poucos as coisas estão normalizando, estou voltando ao campo. E retorno publicando um poema do Professor Luciano Byron:

BRAÇO: DEUS EM SI

O braço...
Alva seta, flecha certa!
Arredondado, mas sem excessos,
Contornado pelos predicativos.

O braço que me envolve
Não é real, é abstrato...
Nas cenas, o braço me abraça,
O sonho parece o viver,
A cena é clara:
O braço acena que há desejo.

O braço...
Entre ele e o recôndito secreto,
Busco pistas de confirmação.

O braço...
Natural, sem artificialidades,
Sem banalidades:
Capaz de enlouquecer o poeta.

Prof. Luciano Byron

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Que momento lindo!

"Saudade palavra triste quando se perde um grande amor..." Estava eu, ontem, assistindo ao jogo entre São Paulo e Atlético Goiano(é claro), quando umas pessoas simpáticas se reuniram na porta de minha casa e começaram a cantar esta belíssima canção “Meu primeiro amor”. Num primeiro momento fiquei sem reação, pensei: "Nossa o que é isso?! Depois ainda sem sair de dentro de minha sala continuei apreciando tamanha beleza e pensando: "Não vou sair lá fora, pois pode ser engano e eles vão parar de cantar". Assim, quando terminaram de cantar este primor acendi a luz da garagem e finalmente desentoquei de minha sala. Elogiei bastante as simpáticas pessoas e logo elas me esclareceram do que se tratara: elas faziam parte do projeto “Revirada Cultural "promovido pela prefeitura de Goiânia. Aproveitei a oportunidade, pedi para elas cantarem mais uma música e elas prontamente me atenderam; cantaram “Noites goianas”. Que momento lindo vivi ontem, serenata é emocionante demais; como tal tradição pôde ir se perdendo?! Imaginem a emoção que deve ser você receber uma serenata da pessoa amada?! Abaixo coloquei um vídeo da música “Meu primeiro amor” interpretada por Cascatinha e Inhana:


video
O lirismo está no ar
Relato da oficina dos bolsistas Rafael e Izabela, a qual foi ministrada pela Izabela.

Dizer Poemas

Nessa oficina trabalhamos com a leitura dramática de diversos poemas. O nosso objetivo foi levar ao conhecimento dos alunos poemas e poetas consagrados da literatura clássica e descobrir a importância de ouvir e de dizer poemas como forma de penetrar o sentido do texto através dos recursos sonoros e apreender a intencionalidade do autor.
Tivemos como convidada a aluna Ariana Nunes, que, juntamente comigo, faz parte do grupo 'Leitura em Corpo de Voz' coordenado pelo professor Jamesson Buarque, na faculdade de Letras da UFG.
Iniciamos nosso trabalho com a Leitura de 'Trem de Ferro' de Manuel Bandeira, leitura em conjunto para o aquecimento das que viriam a seguir. Depois trabalhamos com poemas de Carlos Drummond de Andrade, Ivan Junqueira, Mario de Andrade, Florbela Espanca, José Paulo Paes e Luis Fernando Veríssimo.
Foi um trabalho muito interessante pois através da apreciação oral percebemos melhor as sensações e impressões passadas pelo jogo sonoro e identificamos esquemas de organização, ritmo, repetições e construções sonoras formadas pelos poetas.
Porém, mais que uma percepção estetico-sonora, os alunos foram levados a buscar o sentido dos poemas lidos. Para tanto, os alunos realizavam a leitura e eram instigados a interpretá-la, por levantamento de hipóteses. Após um consenso do que se tratavam os textos, com a emoção e a intencionalidade do autor, era melhor desenvolvidas as estratégias de leitura dramática apresentada. Foi um trabalho divertido e contamos com a participação de todos da classe.

2010-09-03

quinta-feira, 2 de setembro de 2010


Mundim no Teatro

Os Alunos dos 9º anos do Waldemar Mundim foram agraciados com um passeio cultural no Teatro de Tábuas. Além de se divertirem com a peça o “Fim da Picada”, eles ampliaram seus conhecimentos sobre uma doença pouco mencionada, a leichmaniose. Na ocasião os alunos concederam entrevistas para o repórter Murilo Santos da Tv Anhanguera e enfatizaram a imensa satisfação do passeio realizado. É muito importante a iniciativa dos idealizadores do Circuito estrada a fora ao levar o teatro até determinada cidade, Goiânia é a cidade da vez. A partir do entretenimento com a arte e cultura abordam conteúdos de cunho social e informativo. Eu, professora Lívia Aparecida, juntamente com meus colegas Andréia, Cyntia, Dionísio e José Pereira, queremos parabenizar os alunos pelo comportamento exemplar durante todo nosso passeio cultural.

Teatro de Tábuas

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Lendo e entendendo
O relato seguinte foi feito pelas bolsistas Paula Sena e Elizabeth Morena sobre uma das oficinas desenvolvidas por elas (oficinas estas que fazem parte do projeto que elas estão desenvolvendo na escola). Vocês já conhecem quatro bolsistas, só restam mais quatro; logo, logo eu os apresento aqui neste espaço.

Relato da oficina
No encontro de hoje trabalhamos com a interpretação de uma fábula que foi entregue no encontro da semana anterior. Para retomarmos o assunto da fábula foi realizada uma leitura da mesma em voz alta, em forma de contação de histórias. Em seguida, foi aberta uma discussão quanto a interpretação da fábula, afim de compreender a “moral da história”. A discussão foi significativa, pois houve participação de vários alunos. Após realizada essa discussão, propomos a leitura de dois textos: A cigarra e a formiga, de La Fontaine e Cigarras e Formigas, de Ziraldo. No primeiro texto, um aluno se posicionou diante da turma e realizou uma leitura em voz alta. Após essa leitura, discutimos sobre a compreensão do texto e apresentamos sucintamente sobre o escritor francês La Fontaine. No segundo texto, como se tratava de uma história em quadrinhos, dividimos as falas das personagens para que cada aluno lesse. Vale ressaltar que a participação dos alunos que leram foi espontânea e que tanto os alunos que haviam lido em voz alta como os que não participaram – nem lendo nem discutindo – no encontro da semana anterior (24.08) participaram da oficina de hoje. Nesta oficina, sublinhamos algumas participações como dos alunos Lucas, Paulo, Elisângela, Allyne e Diego.
Elizabeth Morena e Paula Sena.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Especialidade do Dragão

Embora o Dragão seja uma fera imponente, a qual amedronta muita gente, na elite do futebol brasileiro, a história tem sido um pouco diferente. Levou bicadas de Periquito, de Urubu e de Galo, foi “mordido” por Peixe, enfim todos estavam/estão querendo pontuar em cima da desmistificada fera. As chamas do Dragão estavam servindo apenas para iluminar o caminho dos adversários; as chamas se configuraram em uma potente lanterna. O lanterninha da competição, que humilhação! Era o que mais se ouvia dos locutores e comentaristas da televisão.
Acanhado, ferido, mas faminto e confiante o Dragão foi convidado para alegrar a festa de aniversário do velho Porco; 96 anos no lombo, e por falar em lombo, um lombinho assado cai muito bem . Enfrentar o lanterninha da competição faria jus a comemoração, com dois ou três golpes estaria a fera abatida no chão. Mera ilusão. De nada adiantou o comando do Felipão.
Mal chegou e o Dragão já foi parabenizando o adversário; Elias se mostrou muito solidário e deu três presentes de aniversário. Não sei se os palmeirenses gostaram do presente, mas, porco ganhado, digo, cavalo ganhado, não se olha os dentes; mesmo que seja o preterido presente de grego.
O Dragão se mostrou um exímio especialista na preparação de carne suína. Pela Copa do Brasil, com tamanha paciência saiu um porco à pururuca daqueles... No Brasileirão, após sofrer muita humilhação, e com uma fome de Leão, digo, de Dragão, já foi logo fritando o porco. Entretanto, o lombo foi preparado por último, assado, como este convém ser saboreado. Se por um lado nos últimos anos o Santos tem se consolidado um grande freguês esmeraldino, por outro o Palmeiras tem alegrado muito a freguesia atleticana.
O time do Atlético aos poucos tem progredido. Diante dos reservas do Inter, o time da Campininha teve uma boa atuação, por pouco não ganhou a partida; tinha uma trave no final do caminho da bola chutada por Willian. Contudo, se tratavam dos reservas do Inter, mas o time progredira. No jogo contra o Palmeiras, a progressão continuou; o Atlético foi senhor absoluto do jogo, parecia até que estava jogando em casa. Com o meio campo neutralizando e criando as jogadas, a defesa atleticana ficou sossegada e o ataque mais alimentado. É cedo para tal afirmação, mas me parece que o Diguinho veio para levantar o nível do futebol do Dragão. Será que o Dragão continuará progredindo na competição?